Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A gente tem umas crises, né, menina?

COUPLE IN LOVE
Sam Edwards | Getty Images
Compartilhar

O namoro, as crises pessoais e os desafios enfrentados a dois

Quando comecei a namorar, ficava apreensiva pensando que meu namorado iria me ligar a qualquer momento e terminar tudo comigo. É que todos os meus relacionamentos até então tinham sido dessa forma, na primeira crise, acabava.

Mas com o passar dos meses eu fui percebendo que ele não iria me ligar pra anunciar um término, que ele não iria embora.

Eu sempre tenho umas crises, algumas por razões bobas e outras mais pesadas. Tipo a crise de acordar e achar meu cabelo horrível e só por isso achar minha vida toda horrível (quem nunca?) ou as crises mais pesadas como achar que devo largar minha faculdade e fazer outra coisa da vida, ou não fazer mais nada da vida porque não capaz de fazer nada. A crise de pensar que não sou o suficiente para ninguém, e por isso, jamais serei amada de verdade por qualquer pessoa.

A questão é que até então ninguém tinha conseguido lidar com essas crises e eu pensava que esse meu namorado também não conseguiria, eu imaginei que, assim com os outros, ele também iria me deixar sozinha lidando com tudo aquilo assim que tivesse a chance.

Mas ai eu tive a primeira crise e ele riu. Na segunda crise, ele me levou tomar sorvete. Na terceira, ele não entendeu direito, mas quando entendeu riu e me levou pro cinema. Na quarta crise eu percebi que ele não iria embora e que iria me ajudar a passar pelas próximas. Assim eu fui fazendo drama e percebendo que nenhum drama poderia afasta-lo de mim, porque ele realmente queria estar comigo. Eu poderia mostrar sem medo o meu melhor e o meu pior lado, eu poderia ser quem eu sou de verdade, que ele ficaria mesmo assim.

Na crise mais pesada, aquelas que são um bicho de cinco ou seis cabeças, ele segurou a minha mão e encontrou uma forma de me tirar do meio dela. E quando eu estou naquela crise brava que eu realmente acho que não vou aguentar, ele me diz: Larissa, você lembra daquela crise enorme que vencemos juntos? Então, vamos vencer essa também. Todo relacionamento passa por crises, todos nós acordamos de mau humor de vez em quando e achamos que a vida é horrível, e mesmo que sem querer descontamos isso na pessoa que esta ao nosso lado. Mas acontece que se você for embora na primeira crise, perderá toda a alegria que vem depois.

Eu percebi que eu poderia chorar por ter estragado minha blusa nova ou chorar por ter perdido o emprego, que ele saberia o que fazer em cada situação e caso não soubesse, ele diria: não sei o que fazer, quer me ajudar a descobrir juntos? Eu constatei algo que lá no fundo já sabia: quando a gente ama e quer estar ao lado de alguém, a gente encurta a distância, cria os momentos, passa por cima das desculpas, enfrenta as crises que aparecerem, porque sabe que, por aquela pessoa, vale a pena enfrentar.

Talvez bem hoje você esteja numa crise brava e tudo que quer é se aninhar no abraço do outro e esperar passar. Seja na crise, na alegria, jogados no sofá comendo pizza, num restaurante chique ou por vídeo chamada, aproveite hoje para lembrar àquela pessoa o quanto você é grato por tê-la enfrentando o mundo junto com você. 

Não há nenhuma regra quando o assunto é amor, mas é importante ter ao lado alguém que, quando você sente que está ficando sem forças, essa pessoa te empreste um pouquinho da força dela e tudo volte a ficar bem. ♥

 

(via Prosa e Poesia)