Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

ONU acusa Síria de crimes contra a humanidade em Ghuta Oriental

SYRIA STRIKES
AFP PHOTO I CNES I Distribution Airbus DS
Image satellite des installations chimiques syriennes visées par les frappes des États-Unis, de la France et du Royaume-Uni.
Compartilhar

A Comissão de Investigação Independente (COI) sobre a Síria recebeu seu mandato em março

Os crimes cometidos pelas forças leais ao regime sírio durante o cerco a Ghuta Oriental, como, em particular, a fome entre os civis, são comparáveis a crimes contra a humanidade, concluiu uma investigação da ONU divulgada nesta quarta-feira.

Este reduto rebelde localizado às portas de Damasco foi recuperado pelo regime em abril, depois de cinco anos de cerco.

“Depois de concluído o mais longo cerco da história moderna, a Comissão de Investigação da ONU condenou esta prática bárbara”, declararam os investigadores em um comunicado.

A Comissão de Investigação Independente (COI) sobre a Síria recebeu seu mandato em março pelo Conselho de Direitos Humanos para investigar os fatos ocorridos entre fevereiro e abril de 2018 em Ghuta Oriental.

A mesma comissão publicou um relatório de 23 páginas detalhando os sofrimentos dos civis nesse encrave.

“O fato de que os civis sitiados fossem atacados sem distinção e que fossem sistematicamente privados de alimentos e medicamentos é algo totalmente revoltante”, declarou o chefe da COI, o brasileiro Paulo Pinheiro, no comunicado.

Pinheiro acusou as forças leais sírias de terem recorrido a práticas ilegais, com o objetivo de “penalizar os habitantes e forçar a população a render-se ou morrer de fome”.

(AFP)