Aleteia
Terça-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Atualidade

Igreja Católica no México: corrupção e violência lideram questões eleitorais

ANDRES MANUEL LOPEZ OBRADOR,MEXICO,POLITICS

ProtoplasmaKid | CC-BY-SA 4.0

John Burger - publicado em 22/06/18

López Obrador, ex-prefeito da Cidade do México, está à frente nas pesquisas

Faltando poucas semanas para as eleições gerais de 2018 do México, parece que um homem que já perdeu duas vezes a presidência vai ganhar desta vez.

Andres Manuel López Obrador, o ex-prefeito da Cidade do México, está com cerca de 45%, com Ricardo Anaya, seu concorrente mais próximo, em segundo lugar, com 31%, seguido pelo ex-ministro da Fazenda, Jose Antonio Meade, com 18%.

O México elege seu presidente em um único turno de votação. Um candidato não precisa ganhar mais de 50% dos votos para ser eleito. O presidente serve em um único mandato de seis anos.

Dois candidatos independentes, Margarita Zavala de Calderón, esposa do ex-presidente Felipe Calderón, e Jaime Heliodoro Rodríguez Calderón, ex-governador de Nuevo León, estão ficando para trás com menos de 3% cada.

López Obrador, conhecido popularmente por suas iniciais, AMLO, é o porta-voz do relativamente novo partido MORENA. O nome é um acrônimo para Movimiento Regeneración Nacional, ou Movimento de Regeneração Nacional. Luis Rubio, presidente do Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento (CIDAC) no México, em um recente podcast do Wilson Center Mexico Institute, chamou Lopez Obrador de um “típico ‘PRIsta’ dos anos 1960-1970, alguém que acredita que o governo deveria estar executando tudo, alguém que acredita que o governo pode fazer as escolhas que a sociedade exige”.

Meade, 48, é o candidato do Partido Revolucionário Institucional, ou PRI, o partido do atual presidente Enrique Peña Nieto. Anaya, de 38 anos, lidera uma coalizão entre seu Partido de Ação Nacional, ou PAN, e o partido de tendência esquerdista Partido da Revolução Democrática, ou PRD.

A maior parte da legislatura do país também está em disputa neste ano.

“As principais questões são a corrupção e a violência aqui no México”, disse o bispo Alfonso G. Miranda Guardiola, secretário-geral da Conferência Episcopal do México, em uma entrevista. “Nós temos muitos crimes. Todos os dias há assassinatos, especialmente em Guerrero, Estado do México, Tamaulipas. … Todos os dias pessoas são sequestradas. … Há muitas coisas que não podemos suportar mais, e o novo presidente tem que enfrentá-las. Nós não podemos suportar mais esse tipo de vida. Como Igreja, como cidadãos, devemos mudar a atmosfera no México. Precisamos fazer o que for preciso, tudo o que pudermos para mudar as coisas aqui no México”.

Todos os candidatos, com exceção de Jaime Rodríguez, participaram da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Mexicana em abril. “Ouvimos por meia hora [cada] suas propostas para o nosso país. Depois que os ouvimos, pudemos ter um diálogo muito bom com eles”, disse o bispo Miranda.

“A Igreja Católica, preocupada com o bem-estar do povo do México, quer, nestas próximas eleições, promover o diálogo e a participação dos cidadãos, mas, acima de tudo, contribuir para o fortalecimento da confiança em favor da democracia”, os bispos disseram em um comunicado na época.

“Vamos ficar aqui com o nosso povo, especialmente os pobres”, disse o bispo. “Precisamos trabalhar com quem vencer, seja López Obrador, ou Anaya, ou Meade, ou seja quem for… Temos que fazer pontes, mesmo aqui no México, com as partes, os candidatos, com todo o povo”.

Foi uma insatisfação tanto com o governo do PRI de Pena Nieto quanto com o governo do PAN que deu origem a López Obrador, segundo o padre jesuíta Matthew Carnes, professor associado do Departamento de Governo e da Escola de Serviço Exterior Edmund A. Walsh da Universidade de Georgetown, e diretor do Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Georgetown. “As pessoas estão realmente frustradas porque não viram o tipo de crescimento e inclusão que desejavam”, Carnes disse em uma entrevista. “Eles sentem que o México não alcançou suas possibilidades”.

Pe. Carnes disse que López Obrador foi “razoavelmente eficaz” como prefeito da Cidade do México, de 2000 a 2006, e desde então ele tem sido um “tipo de figura permanente de oposição” na política mexicana. “E agora as políticas que ele propõe estão totalmente em oposição ao que está acontecendo. Ele parece estar remontando a um período em que o México cresceu bastante nos anos 60, apelando a um maior papel do Estado na economia, a investimentos mais duradouros nas empresas, a um papel mais tradicional dos sindicatos, que seriam organismos organizadores mais fortes”.

Até recentemente, López Obrador geralmente se opunha ao livre comércio, “embora agora, em parte em resposta à retórica do presidente Trump, ele tenha se tornado um campeão” do Acordo de Livre Comércio da América do Norte. Trump tem sido um crítico constante do NAFTA, pedindo sua renegociação.

Embora López Obrador seja visto como um candidato populista, Anaya “retrata a si mesmo como completamente orientado para políticas”, disse Pe. Carnes.

“Ele chamou minha atenção sobre quando, um ano atrás, veio a Washington e fez esses longos discursos políticos, nos quais ele registrou todos os níveis de comércio, os níveis de migração, todos os pequenos detalhes”, disse o padre. Ele é “alguém que está dizendo: ‘olhe que estamos há muito tempo na ideologia, eu serei a pessoa que entra e define políticas muito de perto em termos de soluções técnicas claras’”.

Meade, entretanto, é “uma espécie de tecnocrata, alguém que está no governo há muito tempo, alguém que a maioria das pessoas veria como uma espécie de continuidade com o que o PRI fez”, disse o professor jesuíta. “O PRI vem promovendo políticas amigáveis ​​para os negócios nos últimos anos; tem sido aberto a um comércio mais livre, tentou realmente preparar o México para competir no mundo – tanto quanto o PAN também fez durante seu tempo no escritório”.

“Então Meade é visto como o status quo, e por causa disso não é muito alto”, disse Pe. Carnes. “As pessoas se sentem como ‘nós fizemos esse PRI; ficamos insatisfeitos com isso quando terminou, em 2000, e estamos insatisfeitos com isso agora’. Então ele teria uma batalha muito difícil para vencer”.

Mas, como as coisas mudariam, dependendo de quem for eleito?

Dois dos maiores problemas que os três candidatos estão interessados ​​em abordar são a corrupção e o crime, particularmente a violência alimentada pela atividade dos cartéis de drogas.

“López Obrador provavelmente tem a mais fina sensação de reação militar ou policial” a esse crime, disse Pe. Carnes, “onde Anaya e Meade estariam mais interessados em um código criminal mais forte, poderes judiciais mais fortes, um senso mais forte de respostas rápidas para limitar o crime e tentar diminuir a contagem de mortes, que tem sido tão assustadora dentro do México e tem percepção muito limitada de fora do que o México pode ser”.

Da mesma forma, na área de corrupção, todos os candidatos “têm a sensação de que precisam ter um melhor monitoramento dos funcionários públicos, melhor monitoramento dos contratos, especialmente com empresas privadas, empresas de construção, esse tipo de coisa”.

“Todos eles, eu acho, continuariam a trabalhar com os Estados Unidos, assim como os presidentes anteriores, para tentar limitar a migração de trânsito”, isto é, o movimento de migrantes da América do Sul e Central através do México para os Estados Unidos, disse Pe. Carnes. “O México tem sido um parceiro incrível com os Estados Unidos em termos de trabalho para proteger sua fronteira sul e trabalhar com migrantes quando eles atravessam o país, em muitos casos para dissuadi-los ou fornecer-lhes outras oportunidades dentro do México”. López Obrador “provavelmente ficaria menos ansioso para fazer o máximo”, disse ele, mas ficaria “surpreso se isso mudasse com Anaya ou Meade”.

Dom Miranda disse que o México não pode resolver sozinho o problema da migração de trânsito porque o problema não é apenas o tráfico de drogas, mas também o tráfico de armas e o desaparecimento de pessoas no México. “Há muitos grupos criminosos que sequestram essas pobres pessoas e eles estão se envolvendo com grupos criminosos”, disse ele. “Precisamos resolver isso, mas juntos. Apenas um país não pode resolver isso sozinho”.

Mas tem havido preocupação com a “retórica que o presidente Trump usou” em relação aos mexicanos, ao México e à imigração ilegal, o que levou ao cancelamento das viagens planejadas por Pena Nieto a Washington.

“López Obrador é alguém que estaria pronto para enfrentar o Presidente Trump” disse Pe. Carnes. “Isso, eu acho, levaria a mais conflitos. Anaya, eu acho, seria mais sensato, dizendo algo como ‘Vamos elaborar as políticas e não tornar isso pessoal’. … A política externa não é uma questão importante no México nos dias de hoje. Mas as declarações feitas pelo presidente Trump se tornam questões importantes. Torna-se um ponto de orgulho quando se pergunta: ‘Como o presidente nos representará como pessoas, especialmente quando estão sendo depreciados ou vistos como todo tipo de coisa terrível?’”.

Para o bispo Miranda, não importa quem vença, a Igreja no México está determinada a continuar trabalhando além da fronteira.

“Devemos manter contato com o povo americano”, disse ele. “Devemos trabalhar juntos e buscar maneiras de melhorar nossas relações em todos os tipos de assuntos: cultura, educação, migração. Precisamos trabalhar na questão da migração”.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CorrupçãoIgreja CatólicaMundoViagemViolência
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Ellen Mady
Para Jesus não existe novena melhor do que es...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
ícone São Lucas Nossa Senhora Jesus médico
Reportagem local
Oração a São Lucas, evangelista e médico, pel...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
JENNIFER CHRISTIE
Jennifer Christie
Fui estuprada numa viagem a trabalho - e meu ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia