Aleteia
Terça-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Atualidade

UE usa sanções e aperta cerco sobre círculo de poder de Maduro

VENEZUELA

Fotos: AVN

Inspección del gobierno a un mercado popular en Caracas.

Agências de Notícias - publicado em 25/06/18

A União Europeia (UE) mirou, nesta segunda-feira (25), no círculo de poder do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ao sancionar sua atual vice-presidente, Delcy Rodríguez, e seu antecessor por conta da última eleição presidencial, “sem credibilidade”.

Ambos os dirigentes estão entre as 11 pessoas proibidas, pelos chanceleres europeus reunidos em Luxemburgo, de viajar para a UE. Além disso, os integrantes dessa lista negra tiveram seus ativos no bloco congelados por minarem, na visão da UE, a democracia, o Estado de direito e os direitos humanos.

Os europeus aumentam a pressão sobre Maduro para conseguir uma solução negociada com a oposição para a crise política do país sul-americano, em um contexto de espiral hiperinflacionária e de uma severa crise de alimentos, remédios e produtos básicos.

“Estamos vendo um colapso econômico causado pelo próprio governo. Temos de trabalhar todos juntos para tentar restaurar o êxito econômico e a estabilidade na Venezuela antes que cause ainda mais miséria e caos”, disse o secretário de Estado britânico, Alan Duncan.

O governo Maduro criticou imediatamente em um comunicado a decisão da UE que “constitui uma franca intromissão nos assuntos soberanos de Venezuela, ao adotar pretendidas medidas restritivas contrárias ao Direito Internacional”.

Diante da presença de cerca de 600.000 europeus residentes na Venezuela – segundo números da Comissão Europeia -, os 28 defendem impor “medidas restritivas” individuais, e não contra setores econômicos. O objetivo – alegam, é não prejudicar a população venezuelana.

Diferentemente de Canadá, Estados Unidos e Panamá, que também adotaram sanções contra o país, a UE não sancionou o presidente Maduro para evitar, com isso, romper pontes de diálogo com Caracas.

– CNE –

Dias depois da reeleição de Maduro, com 68% dos votos em uma eleição presidencial antecipada em 20 de maio, boicotada pelos principais partidos da oposição, os ministros europeus das Relações Exteriores se comprometeram a adotar “rapidamente” novas sanções e pediram novas eleições.

Na época, o presidente venezuelano pediu à UE para “não meter o nariz na Venezuela”.

“Chega de velhos colonialismos (…). Não somos herança de ninguém”, acrescentou Maduro, que sucedeu em 2013 ao falecido presidente Hugo Chávez.

Os europeus incluem na lista três membros do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), entre eles sua vice-presidente Sandra Oblitas, por “facilitar a instituição da Assembleia Constituinte ilegítima e por manipular o processo eleitoral”.

Sua presidente, Tibisay Lucena, foi sancionada em janeiro, junto com outras seis pessoas. Nessa lista, está o número dois do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, governista), Diosdado Cabello, novo presidente da Assembleia Constituinte do país.

Por suas ações à frente dessa instituição até junho de 2018, como a “usurpação das competências do Parlamento venezuelano” de maioria opositora e “sua utilização para atacar a oposição”, os europeus sancionam Delcy Rodríguez.

– Sebin –

A eleição em julho da Assembleia Constituinte significou o ponto de inflexão para que os europeus começassem a estudar a imposição de sanções, junto com as manifestações da oposição que deixaram 125 mortos entre abril e julho de 2017.

Em novembro, os 28 países aprovaram, assim, seu primeiro pacote de sanções, que consistia em um embargo de armas e de material que pudesse ser usado para a “repressão interna” e para a vigilância, ou para a interceptação, das comunicações.

Apesar de tudo, sua preocupação com a situação dos direitos humanos se mantém. Prova disso são as sanções impostas nesta segunda-feira contra responsáveis, ou ex-responsáveis das forças de segurança e dos serviços de Inteligência.

Entre eles, está Tareck El Aissami, atual ministro da Indústria. Ele é acusado de ser “responsável” por “torturas”, quando era encarregado de supervisionar a direção do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) como vice-presidente da Venezuela.

Fredy Alirio Bernal Rosales também é acusado de “violações dos direitos humanos”, na época em que era comissário-geral do Sebin, assim como da “manipulação, com fins eleitorais, da distribuição de alimentos” à frente do centro nacional de abastecimento CLAP.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Ellen Mady
Para Jesus não existe novena melhor do que es...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
ícone São Lucas Nossa Senhora Jesus médico
Reportagem local
Oração a São Lucas, evangelista e médico, pel...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
JENNIFER CHRISTIE
Jennifer Christie
Fui estuprada numa viagem a trabalho - e meu ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia