Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pesquisa revela o (pouco) tempo que as crianças passam conversando com os pais

SMARTPHONE,ADDICTION
Shutterstock
Compartilhar

Seria a tecnologia a responsável pela péssima comunicação entre pais e filhos?

Estudos e mais estudos alertam sobre a importância de um bom relacionamento entre pais e filhos. A conexão entre eles é fundamental para o crescimento da criança e seu desenvolvimento saudável.

Mas os lares estão cada vez mais tomados pelos smartphones e seus aplicativos de mensagens instantâneas, Facebook e Instagram, que proporcionam uma ilusão: a sensação de que as pessoas estão conectadas. Na verdade, esta hiperconexão diminui o tempo real que a família tem para estreitar seus laços.

Um amplo estudo sobre o tempo das crianças americanas revelou que os pequenos dedicam só quatro minutos por dia para conversar com seus pais.

E o pior é saber as consequências deste comportamento. A psicologia pediátrica diz que as crianças que falam pouco com os pais demonstram maior desobediência e agressividade em comparação àquelas que passam mais tempo conversando com seus pais e as mães.

Por outro lado, um estudo feito em restaurantes onde pais e mães estavam com os filhos mostrou que 75% dos pais usavam dispositivos móveis durante a refeição. Destes, 30% usaram os celulares continuamente, ignorando os filhos.

Outras pesquisas evidenciam também que a maioria das crianças tentam chamar a atenção dos pais através de comportamentos irritantes. Por outro lado, muitos pais tentam acalmar os filhos usando a tecnologia, ao invés da interação pessoal.

Ao oferecerem celulares e tablets às crianças ou liberarem muito tempo de exposição às telas para pacificá-las, os pais condicionam os filhos a preferirem a tecnologia à conversa. E isso gera reflexos em todas as fases do desenvolvimento do indivíduo.

Vale dizer que o uso frequente e compulsivo da internet está associado ao aumento de 250% dos casos de depressão no mundo. Um número alarmante, né? Por isso, queremos te motivar adotar certas atitudes quando o assunto for tecnologia e relacionamentos.

Você pode, por exemplo, restringir o tempo de uso dos aparelhos eletrônicos em casa. Pode também postergar a compra de celulares para os filhos e desligar o seu quando você realmente não precisar dele.

Dedicar tempo aos filhos e ter uma interação mais significativa e longe das tecnologias são passos importantes no caminho da recuperação do vínculo entre os membros da família.

Outra dica: é sempre bom desligar os dispositivos eletrônicos duas horas antes de dormir. Use este tempo para construir uma rotina noturna que inclua conversas e oração.

  “O futuro da humanidade se molda na família”

Foi o que disse João Paulo II. Mas, infelizmente, 54% das crianças entrevistadas pela AVG Technologies afirmaram que se sentiam menos valorizadas por seus pais, pois tinham que dividir o tempo deles com uma tela.

A boa notícia é que as famílias sabem se adaptar a diversas situações e nunca é tarde para começar uma rotina que fomente e conserve o tempo destinado às conexões familiares reais e efetivas.