Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconAtualidade
line break icon

Conheça a polêmica e rígida política migratória da Austrália

BOAT

Public Domain

Agências de Notícias - publicado em 28/06/18

Enquanto os defensores das políticas anti-imigração ganham terreno nos Estados Unidos e na União Europeia, a Austrália se enaltece de suas polêmicas medidas draconianas, que conseguem dissuadir os migrantes de chegarem à sua costa.

O governo conservador adotou uma linha dura com os migrantes há cinco anos, o que lhes rendeu aplausos e fortes críticas.

Até então, os migrantes originários de Afeganistão, Sri Lanka e Oriente Médio zarpavam da Indonésia para chegar quase diariamente à costa norte da Austrália.

Cerca de 1.200 pessoas morreram afogadas. Para lutar contra os traficantes de seres humanos e dissuadir os migrantes, o governo australiano optou pela tolerância zero.

As embarcações eram sistematicamente rejeitadas pelos navios da Marinha de guerra australiana e as operações em alto-mar estavam rodeadas de grande sigilo.

Os que conseguiam chegar à Austrália eram enviados a campos de retenção no Pacífico, em Nauru ou Papua-Nova Guiné. Mesmo se o pedido de refúgio fosse considerado bem fundamentado, não era aceito em território australiano.

Esta política teve sucesso. O número de chegadas caiu para quase zero. Mas dividiu a opinião pública e prejudicou a reputação internacional do país.

Os defensores dos direitos humanos, assim como a ONU, criticaram um país rico que dava as costas às pessoas vulneráveis. As informações dos campos de retenção apontavam para abusos, casos de depressão e suicídios.

– ‘Uma boa ideia’ –

Mas na União Europeia e nos Estados Unidos, alguns têm na Austrália um exemplo.

A presidente do partido francês de ultradireita Frente Nacional, Marine Le Pen, o nacionalista britânico anti-imigração Nigel Farage, e o novo ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, citaram em algum momento o modelo australiano.

Pouco depois de sua posse, o presidente americano, Donald Trump, teve uma conversa por telefone com o primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull.

Mas sobre a imigração, os dois presidentes chegaram a um acordo.

“É uma boa ideia. Deveríamos fazer o mesmo. São piores que eu”, teria dito Trump ao seu interlocutor, segundo o Washington Post.

Contudo, os observadores assinalam que o modelo de Canberra é difícil de reproduzir.

A Austrália é uma ilha cercada por águas perigosas.

“Existe uma grande diferença. Europa e Estados Unidos têm fronteiras terrestres e é muito difícil impedir que as pessoas cheguem”, afirmou Stephen Castles, especialista em temas migratórios na Universidade de Sydney.

“Não existe nenhuma dúvida de que os Estados Unidos e alguns dirigentes europeus considerem a Austrália um exemplo. Mas a Austrália, que assinou a convenção da ONU (sobre os refugiados), viola suas obrigações em matéria de direitos humanos”, declarou à AFP.

– Política ‘punitiva’ –

A ONU denunciou uma política “punitiva” com os migrantes que “socava os seus direitos humanos”.

O campo da ilha Manus, em Papua-Nova Guiné, fechou suas portas após ser considerado anticonstitucional pela Justiça desse país. Seus 600 ocupantes foram enviados a três centros de trânsito.

Atualmente, 255 pessoas estão detidas em Nauru, na maioria famílias, sendo 22 delas crianças, segundo dados mais recentes.

Muitos migrantes foram enviados a outros países. Ironia do destino, alguns partiram para os Estados Unidos em virtude de um acordo alcançado com o ex-presidente Barack Obama.

Na Austrália o tema já não para nas capas dos jornais.

O governo australiano faz valer que a tolerância zero com os migrantes salva vidas e permite acolher melhor os que chegam por via legal para solicitar refúgio.

Alguns colocam em dúvida essa afirmação. Mas o governo conservador está longe de mudar sua política. No fim de semana passado, o ministro do Interior, Peter Dutton, assegurou que os traficantes continuam ativos na Indonésia, onde 14.000 migrantes aguardam um barco.

“Os barcos desapareceram e se um só barco conseguir chegar à Austrália, a notícia se propagará” rapidamente, disse.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia