Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

Vitória pró-vida: Supremo dos EUA rejeita lei que obrigava a propagandear aborto

© Andriy Maygutyak/SHUTTERSTO CK
Compartilhar

“Obrigar uma pessoa a fazer publicidade da indústria do aborto é impensável, especialmente quando é o governo quem impõe esta obrigação”

Nesta terça-feira, 26 de junho, a Suprema Corte dos Estados Unidos se manifestou contrária a uma lei que obriga os centros de ajuda a mulheres grávidas da Califórnia a fazerem publicidade do aborto gratuito ou barato.

Uma lei abusiva e de caráter meramente ideológico

A lei em questão foi aprovada em 2015 e afeta todos os centros de ajuda às gestantes na Califórnia, incluindo aqueles que doam roupas e acessórios para bebês.

O caso chegou à Suprema Corte depois que a juíza Dorothy W. Nelson, do 9º Tribunal de Apelações, determinou que a Califórnia “tem interesse essencial na saúde de seus cidadãos, incluindo assegurar-lhes o acesso às informações sobre serviços protegidos pela Constituição, como o aborto”.

Reação à inconstitucionalidade da lei

Quem levou o caso ao Supremo Tribunal norte-americano foi o National Institute of Family and Life Advocates (NIFLA), representado pela Alliance Defending Freedom. A entidade pró-vida denuncia que a lei é discriminatória e desrespeita a liberdade de expressão. Kevin Theriot, advogado sênior da Alliance Defending Freedom, declara:

“Obrigar uma pessoa a fazer publicidade da indústria do aborto é impensável, especialmente quando é o governo quem impõe esta obrigação”.

Por cinco votos a quatro, a Suprema Corte do país concordou: a lei viola a Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos, que, desde 1791, protege os direitos à liberdade de religião e de expressão. O caso foi enviado à reconsideração de uma corte menor.

Importante vitória pró-vida

O cardeal Timothy Dolan, arcebispo de Nova Iorque e presidente do comitê das atividades pró-vida do episcopado norte-americano, afirmou que a decisão é uma importante vitória dos direitos de livre expressão das organizações pró-vida e “protege o direito de todas as organizações de decidirem por si mesmas não só o que dizer, mas também o que não dizer“:

“Isto permite que os centros pró-vida de ajuda às mulheres grávidas continuem oferecendo apoio à vida da mãe e do filho, sem serem obrigados pelos governos a fazer publicidade gratuita para o ato violento do aborto, violando diretamente as convicções dos centros que são a favor da vida. Esta decisão é um passo importante para proteger os centros pró-vida dedicados às mulheres grávidas diante de futuras iniciativas que tentem atingir a liberdade de expressão, violando as suas crenças mais profundas”.

Aleteia Top 10
  1. Lidos