Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Romaria do Divino Pai Eterno: devotos visitam igreja de Pe. Pelágio, que está em processo de beatificação

Rodolfo Carvalhaes - Divulgação
Compartilhar

Padre alemão viveu maior parte da sua vida em Goiás e deixou legado social, reconhecido em todo o Estado. Fieis atribuem diversas graças à intercessão de Pelágio

Devotos de diversas partes do País aproveitam a Romaria do Divino Pai Eterno, em Trindade (GO), para prestar homenagens ao Pe. Pelágio Sauter enquanto aguardam o processo de beatificação do missionário redentorista. Em novembro de 2014, o Papa Francisco o proclamou Venerável, título que representa uma das etapas mais exigentes e trabalhosas da causa de canonização. Nascido na Alemanha, no final do século XIX, Pelágio ficou conhecido pelo trabalho religioso e filantrópico desenvolvido em Goiás, até sua morte, na década de 1960.

Também conhecida como Igreja do Pe. Pelágio, a Igreja do Santíssimo Redentor tem recebido grande volume de visitas de devotos para pedir bênçãos e fazer promessas. O local foi construído em Trindade para acolher os restos mortais, e também possui exposição de objetos pessoais e de devoção do missionário.

Não é difícil encontrar quem atribua o recebimento de graças ao Pe. Pelágio. Vendedor em Paraguaçu (MG), Altair de Xavier, de 53 anos, veio pela primeira vez à Romaria de Trindade, em 2008, para pedir que a esposa engravidasse. “Ela tinha miomas uterinos. Rezamos para que o tratamento funcionasse e, depois de 10 meses, ela conseguiu engravidar”, conta.

Aos 72 anos, a dona de casa Maura Canedo veio de Santa Rosa (GO) para agradecer a cura da neta. “Ela sofreu queimaduras de segundo grau e uma das perninhas começou a apresentar gangrena. Levamos o retrato dela para Trindade e pedimos que fosse curada”, explica. Segundo Maura, os médicos explicaram que uma a cada 100 pessoas sobrevivem àquela grave situação. “A melhora dela chegou pouco tempo depois. Agora, esperamos que essa história ajude no processo de beatificação [do Pe. Pelágio]”, explica.

Admiração

Diversos romeiros visitam a Igreja do Santíssimo Redentor apenas para conhecer um pouco melhor a história do missionário alemão, exemplo de caridade. A romeira Lúcia Marília Lourenço, de 68 anos, veio de Varginha (MG) por sua admiração a Pelágio.  Lúcia conheceu a história do missionário redentorista, há três anos, pela TV, em programa que contou sobre a vocação do padre para cuidar dos pobres e humildes. “Deixei um pedido para ele e tenho certeza que terei resposta”, disse. Acompanhada de quatro familiares, Marília explicou que foi ela quem apresentou Pe. Pelágio a todos. “Agora vamos planejar para vir juntos [à Romaria do Divino Pai Eterno] todos os anos”, enfatizou.

O estudante de Direito, de Goiânia, Gabriel Portugal, 21 anos, não esconde sua grande devoção ao missionário redentorista. “A história dele é admirável. Torço bastante pela canonização”, conta. “Apesar das pessoas conhecerem o nome dele, poucos sabem do testemunho de vida, a história e a importância para a religião. A canonização do Pe. Pelágio é fundamental para que todos possam conhecê-lo melhor”.

Processo de beatificação

Padre Pelágio Sauter nasceu na Alemanha, em 1878. Veio para o Brasil em 1909, onde viveu por 52 anos, sendo que 47 em Goiás, tendo grande parte de sua atuação missionária em Trindade. Sempre viveu em prol do próximo e passou seus dias nos trabalhos de evangelização.

Em Trindade, ele foi muito importante e marcou a história da Capital da Fé de Goiás. “Eu tenho meu arquivo e lá são 500 páginas só de depoimentos. Tem muitas coisas interessantes e bonitas. Não é o Papa que inventa de canonizar alguém, começa onde ele viveu, onde ele morreu. O povo é consultado: ‘Vocês querem canonizar o Pe. Pelágio? Sim, queremos!’. É essa aclamação geral que deve haver”, pontuou Pe. Clóvis, maior estudioso da história de Pelágio e responsável pelo processo de beatificação, iniciado em 1997.

O processo consiste em atribuir o estatuto de Beato a uma pessoa, o que representa que ela se encontra no Paraíso. O candidato recebe o título de Venerável no início da causa, uma das etapas mais demoradas devido à investigação feita na vida do servo de Deus. Terminado, a pessoa pode ser considerada Venerável e o caso parte para o processo de beatificação, que busca encontrar um milagre ligado ao candidato. Por fim, o processo se direciona a comprovar outro milagre, ocorrido após a beatificação, o que garante a canonização e o culto universal ao novo Santo.