Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Dica de vida: o caminho escolhido importa mais que a velocidade

MAŁY KSIĄŻĘ
Netflix
Compartilhar

Se você pensa apenas no ponto de chegada, corre o risco de perder toda a beleza do caminho

Muita gente dá o sangue, o suor e as lágrimas em busca de um único objetivo de vida. Ser rico, casar ou viajar o mundo são apenas alguns dos itens que lideram a lista dos desejos humanos. Porém, na sede de alcançar o objetivo de forma rápida, muitos esquecem que o caminho percorrido é mais importante que a velocidade que o conquista.

A vida é um mar de escolhas. De situações que acontecem e daquelas que escolhemos que aconteçam. Nossas decisões, tomadas a todo tempo, são responsáveis por mudar o curso, a forma e a intensidade das coisas. Para tanto, a grande sabedoria está em saber escolher o caminho certo e não priorizar o tempo que demoramos para percorrê-lo.

Caminhos são possibilidades de crescimento espiritual e de aquisição de sabedoria, já que são neles que a vida acontece. Como dizia Caio Fernando Abreu, “a vida tem caminhos estranhos, tortuosos, às vezes difíceis: um simples gesto involuntário pode desencadear todo um processo”.

Na caminhada adquirimos aprendizagens, as amizades são provadas e o amadurecimento se efetiva. Note que quanto mais rápido conquistamos algo, maior a tendência à desvalorização.

Pessoas apressadas perdem o melhor da vida, desperdiçam o próprio tempo e tornam-se escravos dos próprios sonhos. Esquecem de ver a beleza dos detalhes e de admirar os pequenos presentes da vida.

É no caminho que aprendemos a priorizar o que, realmente, importa. Entendemos que terminar o namoro com o “grande amor da nossa vida” só é doloroso quando se tem 20 anos. Com 40, o sofrimento dá lugar ao bom senso. Entendemos que reprovar na escola parece o fim do mundo quando se tem 10 anos. Na faculdade, percebe-se que não houve uma perda de conhecimento significativa. Em outras palavras: é no caminho que adquirimos conhecimento empírico e equilíbrio emocional.

Que sejamos capazes de diferenciar os atalhos dos desvios e que, mesmo incertos, possamos aprender com os resultados das escolhas que fizermos. Que sejamos constante em sabedoria, em crescimento e em humildade e que possamos entender que mais vale um caminho longo que um caminho errado.

 

(via Resiliência Mag)