Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como saber se você está criando filhos otimistas (ou pessimistas)

GIRL
Compartilhar

Vamos ensinar às crianças padrões de pensamento e comportamento que servirão para eles para o resto de suas vidas

Pessoas otimistas veem oportunidades e soluções em problemas; os pessimistas veem problemas em todas as soluções. Tudo depende da nossa atitude de base.

Não há nada melhor que se cercar de pessoas otimistas que são alegres e comunicativas, o tipo de amigo que sabe como fazer você rir mesmo no meio da dor mais profunda.

Mas como você pode saber se você é otimista ou pessimista? Apenas observe as atitudes, comportamentos e reações que você tem em sua vida diária.

  • Você costuma ver o lado positivo ou negativo de eventos ou situações.
  • Você se sente uma vítima da vida: ninguém me ama, todo mundo me trata mal, eles estão sempre contra mim. Ou, pelo contrário, você é responsável por si e por suas ações.
  • Rugas na sua testa. Os otimistas tendem a ter linhas horizontais, enquanto os pessimistas tendem a ter linhas verticais.
  • Você olha para o que está perdendo, em vez de agradecer pelo que tem ou pelo que conquistou.
  • Você tem confiança em si mesmo ou não tem segurança.
  • Você desiste facilmente ou tem uma enorme capacidade de resiliência e perseverança.

Ser otimista e ser pessimista são padrões ou comportamentos que são aprendidos e herdados, tanto pelos genes quanto pelas nossas experiências.

Ou seja, são costumes que se tornam hábitos que aprendemos desde a infância e que, por sua vez, transmitimos aos nossos filhos.

É claro que o ideal é ter aprendido a ser otimista, mas se nossa própria mãe estivesse sempre reclamando, ou se nosso pai estivesse constantemente estressado e sobrecarregado, teríamos dificuldade em ser positivos. E a parte triste, e até perigosa, é que esse é o padrão de comportamento que vamos imitar e transmitir.

Então, pais, como podemos ajudar nossos filhos a serem mais otimistas?

  • Vamos ser modelos a seguir. Podemos ensinar otimismo com nossa atitude alegre e confiante, com palavras positivas, com frases encorajadoras. Vamos agir como otimistas. E mesmo que estejamos chorando por dentro, vamos mostrar que podemos viver com esperança. “Sim, meu filho, tenho um problema no trabalho, mas estou trabalhando em uma solução. E você verá em quanto tempo isso será corrigido. Tudo vai dar certo”.
  • Vamos ensinar nossos filhos a encontrar o lado positivo nas coisas. Tudo, absolutamente tudo tem um lado positivo, e cabe a nossa atitude poder descobri-lo.
  • Vamos ensinar nossos filhos a procurar e encontrar soluções. Quando eles nos procuram com um problema ou dificuldade, é claro que não queremos vê-los sofrer, e o mais fácil é consertar isso para eles. Isso não ajuda. Precisamos abrir caminhos para eles, ensiná-los a pensar e ajudá-los a usar sua liberdade de maneira inteligente e responsável. Deixe-os resolver seus problemas e assumir a responsabilidade por suas ações e decisões.
  • Vamos ensinar nossos filhos a buscar e encontrar seus pontos fortes, para aproveitar ao máximo e, acima de tudo, colocá-los a serviço dos outros. Deixe-os saber que todos nós temos fraquezas, mas que nossas forças são maiores. Nós não somos bons em tudo. Cada um de nós tem habilidades e talentos muito particulares que devemos descobrir e enriquecer.
  • Vamos parabenizar nossos filhos, mas apenas quando eles merecem e quando valer a pena. Às vezes, nós os elogiamos muito facilmente por cada coisa, e nosso elogio começa a perder seu valor para eles.
  • Vamos cuidar da maneira como os corrigimos. Há palavras pejorativas que os insultam e fazem com que se sintam sem valor. Por exemplo, se seu filho não passar no exame, em vez de dizer que ele é “inútil” ou “estúpido e não serve para nada”, vamos nos concentrar em frases encorajadoras: “Meu filho, você falhou no exame e está nos mostrando que você tem a oportunidade de melhorar neste assunto. Estou aqui para ajudá-lo a superar isso”.

Uma atitude otimista – positiva – será o ingrediente principal para abraçar sua vida ao máximo e se adaptar a qualquer mudança. Vamos criar crianças felizes e otimistas, porque elas terão uma vida mais feliz, ficarão menos doentes e terão relacionamentos saudáveis ​​e duradouros.