Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Por favor, ajude-nos a manter este importante serviço. APOIE AGORA
Aleteia

Meninos da Tailândia: 9 fatos sobre o papel heroico de um treinador injustiçado

Ekapol Chanthawong
Ekapol Chanthawong, via Facebook - Tales of an Educated Debutante
Compartilhar

Precipitadamente culpado por muitos, o jovem de 25 anos tem sido crucial para a sobrevivência do grupo

Quando o mundo soube da dramática situação dos 12 meninos tailandeses presos numa caverna em condições de dificílimo resgate, não faltaram, lamentavelmente, os muitos dedos apontados contra o técnico de futebol que os levou até o local para comemorar o aniversário de um dos garotos, todos treinados por ele.

Agora, com a operação de resgate em andamento, algumas informações a respeito dele estão comovendo o planeta:

1 – Ekapol Chanthawong tem 25 anos e é treinador voluntário de futebol. Ele não ganha nada para treinar os meninos, que amam o esporte.

2 – Esta foi a terceira vez que o time visitou a mesma caverna, que é aberta ao acesso de grupos. Todas as visitas foram planejadas. Da primeira vez, o grupo ficou próximo da entrada, numa espécie de reconhecimento básico. Na segunda vez, com mais equipamentos, chegaram um pouco mais longe. Para esta terceira vez, o grupo levou ainda mais equipamentos, lanternas e comida, porque pretendiam passar mais horas no interior da caverna.

3 – Ekapol conta com grande apreço dos meninos do time e dos seus familiares, sendo reconhecido por eles como um amigo de confiança. Esta proximidade, aliás, foi fundamental para que o jovem pudesse exercer a autoridade moral imprescindível para manter o controle emocional dos meninos durante esse drama.

4 – Ekapol foi monge budista. Habituado em seus tempos de mosteiro a exercitar o domínio da mente e o jejum, ele guiou os meninos em momentos de meditação para controlar a ansiedade e manter a calma. Este exercício está sendo apontado por analistas internacionais como fundamental para a sobrevivência do grupo.

5 – Durante os 9 dias que se passaram até a chegada dos primeiros socorristas, Ekapol ficou em jejum: ele não se alimentou para deixar o máximo possível de comida para os meninos.

6 – Ekapol é o mais desnutrido e fragilizado fisicamente de todo o grupo.

7 – Em mensagem enviada às famílias, o jovem de 25 anos demonstrou sentimento de culpa por ter levado os meninos ao local e pediu desculpas.

8 – As famílias declararam que não o consideram culpado e que veem o caso como uma fatalidade.

9 – Ekapol será o último a ser resgatado.

Resgate em andamento

A operação de emergência está sendo feita antes do previsto, com ajuda de 18 mergulhadores especializados – embora esta situação em particular seja inédita para todos.

Neste momento, 4 ou 6 dos 12 garotos já foram retirados – as informações são desencontradas e há fontes citando ambos os números. Além dos outros meninos, também falta o treinador Ekapol Chanthawong.

Segundo o departamento de saúde da província de Chiang Rai, os dois primeiros meninos resgatados passaram por exames físicos num hospital de campanha improvisado junto à própria caverna. Em seguida, foram levados ao hospital de Chiang Rai.

O resgate está sendo feito por grupos de 3 a 4 meninos. Ekapol está no último grupo, juntamente com outros 2 meninos. A operação deverá passar agora por uma interrupção de cerca de 10 horas, por motivos de segurança que ainda não foram esclarecidos pelas autoridades.

Milhões de leitores em todo o mundo – incluindo milhares do Oriente Médio – contam com a Aleteia para se informar, buscar inspiração e conteúdos cristãos. Por favor, considere a possibilidade de ajudar a Edição em Árabe com um pequeno donativo.