Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Você é um millennial se…

MAN IN THE CITY
Svetikd | Getty Images
Compartilhar

Você é impaciente, competitivo e está sempre conectado?

Millennials estão por toda parte. Sempre que as pessoas falam sobre progresso ou inovação, seu nome é sempre mencionado. Eles são o centro de todas as nossas esperanças para o futuro e, ao mesmo tempo, o foco de muitas críticas. Guido Stein, professor da IESE Business School da Universidade de Navarra, é uma espécie de especialista no assunto, com artigos e livros sobre isso em espanhol e inglês.

Millennials são pessoas nascidas depois de 1980 e antes do ano 2000. É uma geração que, de acordo com Stein, tem luzes e sombras, e é “digna de respeito e admiração de muitas maneiras”, embora precise “amadurecer e receber um empurrão em muitos aspectos”. Stein escreve que “nenhuma geração teve isso tão fácil e tão difícil ao mesmo tempo” porque eles estão “imersos em um nevoeiro inconstante criado pela geração que os precedeu, o materialismo e o egoísmo do mundo ao redor deles, e a incerteza que é parte do ar que eles respiram”.

Segundo ele, alguns dos traços mais comuns da geração do milênio são:

– Eles cedem aos hábitos sociais predominantes. Os membros da geração do milênio são mais semelhantes entre si do que as gerações anteriores, devido à homogeneidade das informações e valores que receberam através da mídia. Esta é também a consequência da globalização. Apesar disso, eles “não fazem concessões quando se trata do que eles acreditam ser importante”.

– Eles são muito ligados aos seus avós. Porque seus pais (muitas vezes pertencentes à Geração X) estão intensamente focados no trabalho, muitos millennials passaram mais tempo com seus avós do que com seus pais e assimilaram alguns de seus valores; “por exemplo, a ideia de que há algumas coisas mais importantes do que o trabalho ou o sucesso” – embora, diz Stein, “pareça que a família não será uma de suas prioridades”.

– A mídia é o seu guia. Sua educação foi amplamente baseada em mensagens da televisão, da Internet e das redes sociais. Sua ideia de autoridade é diferente da geração anterior. Millennials confiam em outros millennials. Nesse sentido, segundo o professor Candice Kelsey, que Stein cita em seu livro, há quatro mensagens que esses jovens absorvem nas redes sociais e aplicam em suas vidas:

  1. “Eu devo me divertir em todos os momentos.
  2. Se você tem isso, ostente-o.
  3. Sucesso significa ser um consumidor.
  4. A felicidade é um adulto glamoroso”.

– Eles estão sempre conectados. Nunca os membros de uma geração ficaram mais conectados uns aos outros, graças às redes sociais. No entanto, de acordo com Stein, é provável que tenham um relacionamento muito superficial com muitas pessoas e saibam muito pouco delas, já que o tempo necessário para consolidar um relacionamento com uma pessoa é muitas vezes dedicado a conhecer mais pessoas.

– Eles projetam uma imagem de quem eles querem ser, não necessariamente quem eles são: os millennials podem manipular a imagem que eles apresentam nas redes sociais. Por outro lado, eles também estão sendo constantemente analisados ​​por seus pares, o que, segundo Stein, pode provocar insegurança e ansiedade. Seu objetivo é ser reconhecido e até mesmo ter fãs. “Os millennials podem parecer mais egocêntricos e narcisistas do que as gerações anteriores”, escreve Stein.

– Eles são impacientes: os millennials foram criados em uma cultura de imediatismo. Eles são multitarefas especializados, confortáveis ​​em várias tarefas ao mesmo tempo, em várias plataformas digitais. Isso pode ter um impacto negativo em sua concentração.

– Eles estão de mente aberta: dado o grande número e facilidade de interações e relacionamentos com muitas pessoas, esta geração aceita diferenças e mudanças muito mais facilmente do que as gerações anteriores.

– Eles não são contraculturais ou rebeldes: para a geração do milênio, não há um modo de olhar a vida; em vez disso, eles “flutuam em múltiplas subculturas”. Nesse sentido, eles não reconhecem líderes tradicionais fortes. Seus modelos são mídias sociais “influenciadoras”.

– Eles buscam significado no que fazem; não satisfeitos em apenas ganhar dinheiro, eles “precisam sentir que o que fazem vale a pena”. Eles são motivados por causas e por “fazer parte de algo importante que afeta positivamente seu meio ambiente”.

É uma geração de pessoas que constantemente ajustam suas vidas diárias para serem mais produtivas, mais motivadas e mais felizes.

Em última análise, toda geração tem seus pontos fortes e fracos, e enquanto podemos fazer generalizações sobre eles, nunca devemos julgar qualquer indivíduo baseado puramente em um estereótipo de pessoas nascidas na mesma década.

Em vez disso, devemos aprender a entender que  nós e aqueles com quem lidamos são, em parte, o produto de um determinado contexto cultural – o lugar, o tempo e a família em que fomos educados –, mas ninguém é escravo de sua educação.

Podemos e devemos usar nosso livre arbítrio para alavancar nossos pontos fortes, enquanto nos esforçamos para superar nossas fraquezas pessoais e geracionais.

Relacionamentos intergeracionais são vitais para esse fim; sejamos nós, baby boomers, geração X ou geração do milênio – ou qualquer coisa entre, antes ou depois – podemos aprender uns com os outros e enriquecer uns aos outros com nossas diferentes perspectivas, habilidades, erros e experiências. Juntos, podemos construir um futuro melhor.