Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconEspiritualidade
line break icon

Uma oração feita com distração tem valor?

WOMAN PRAYING

Shutterstock

Padre Paulo Ricardo - publicado em 09/07/18

Às vezes, os santos também se distraíam enquanto falavam com Deus

Santa Teresa d’Ávila em seu livro chamado “Castelo Interior”, também conhecido como “As Sete Moradas”, faz um juízo muito severo acerca da oração feita com distração. Ela diz: “Não chamo oração aquilo em que não se percebe com quem se fala e o que se pede. Não se trata de oração”.

Santo Tomás de Aquino, por sua vez, parece estar em frontal contradição com Santa Teresa. Respondendo à pergunta se “é necessário que a oração seja atenta”, ele diz o seguinte: “Quanto ao décimo terceiro, assim se procede: parece que É necessário que a oração seja atenta. […] Em sentido contrário, os santos às vezes também distraíam-se na oração, como atesta o Salmista: “O meu coração me abandonou”.” (cf. Suma Teológica II-II, q. 83, a. 13) Em latim, cor meum dereliquit me.

Então, aparentemente existe uma incompatibilidade entre as opiniões desses dois grandes santos. Qual deles tem razão? Ambos. E é o próprio Santo Tomás quem explica:

“Respondo: Essa questão é importante principalmente quando se aborda o tema da oração vocal. A necessidade da atenção na oração vocal é entendida de duas maneiras: Na primeira, como é necessário aquilo com que se alcança melhor o fim. Segundo esta consideração, a atenção é absolutamente necessária.

Na segunda maneira, considera-se necessário aquilo sem o qual a ação não conseguirá os seus efeitos. Os efeitos da oração são três: o primeiro efeito é comum a todos os atos informados pela caridade, que, por isso, são meritórios. Para ter este efeito não será necessário que a atenção seja diuturna, porque o impulso da intenção inicial, com a qual se vai orar, torna meritória toda a oração, como acontece aos outros atos meritórios. – O segundo efeito, a impetração, que lhe é próprio. Para se conseguir este efeito também será suficiente o impulso da primeira intenção, a que Deus atenta em primeiro lugar. Assim, Gregório a isto se refere nestes termos: “Deus não atende a oração de quem não pretende orar.” – O terceiro efeito da oração é aquele que é contínuo, a saber, uma certa refeição espiritual da mente. A atenção é necessariamente exigida para esta oração. Escreve a respeito a primeira Carta aos Coríntios:

‘Se oro só pela língua, minha mente será infrutífera’.”

Assim, segundo o Aquinate, primeiramente a oração tem um valor meritório, pois a pessoa ama a Deus rezando. Em segundo lugar, ela pode ter um valor de intercessão, ou seja, de alcançar graça diante de Deus, também chamado de impetratório. E, em terceiro lugar, a oração tem o valor de santificação ou de refeição da alma.

Levando em conta esses três níveis de valoração, Santo Tomás diz que nos dois primeiros pode haver alguma distração que, mesmo assim, a oração terá algum valor. Porém no terceiro nível é absolutamente necessário que a pessoa esteja atenta à ela.

Nesse sentido, Santo Tomás e Santa Teresa estão em pleno acordo. É justamente sobre a “refeição da alma” que Santa Teresa fala em seu livro. De como é que se deve fazer para adentrar cada vez mais nas moradas da alma, alimentando-se e crescendo espiritualmente. Mas, então, que valor existe uma oração quando ela é feita distraidamente? Ela tem valor meritório se é feita com amor, porém, não é necessário que seja feita por amor o tempo todo, basta a intenção inicial, diz Santo Tomás. A luta contra as distrações é bastante meritória.




Leia também:
Como lidar com as distrações durante a oração, segundo Santa Teresinha

O segundo valor, chamado impetratório, também tem valor, pois a pessoa pode ter se distraído, mas Deus não se distraiu dela. A oração com distração não produz o crescimento necessário para fazer com que o indivíduo passe de morada em morada no seu castelo interior, portanto, é preciso lutar contra ela, concentrando-se para que haja realmente uma refeição espiritual.

Importante é continuar a rezar, mesmo distraído, combatendo a distração, colocando toda a sua atenção em Deus e em seu amor.

Tags:
AmorOraçãoSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia