Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconEstilo de vida
line break icon

O poder de sedução das telas

SMARTPHONE

TATJANA SPLICHAL | DRUŽINA

Carlos Padilla Esteban - publicado em 13/07/18

Aprenda a utilizá-las antes que elas te escravizem

As telas têm algo que nos atrai. Falo sobre as telas dos celulares, dos computadores e tablets. Elas me tiram do mundo real e me levam para muito longe, para outro lugar. Frequentemente, são uma ajuda que me coloca em contato com muita gente. Não quero desqualificá-las. Como li outro dia, elas são apenas ferramentas:

“Este mundo da informação nos oferece ferramentas. E as ferramentas, em si, não são um problema ou uma bênção, mas uma oportunidade. O que temos que fazer é aprender a usá-las e detectar as armadilhas nos atraem a elas”. [1]

As telas exercem um poder sedutor sobre mim. Eu gosto da luz, do movimento. Através delas, vou ao futuro e volto ao passado. E, como sou curioso, continuo pesquisando. De repente, estou fora da realidade.

Deixo de escutar perguntas, de olhar nos olhos, de caminhar olhando para as pessoas. As telas me atraem e me seduzem com uma força irresistível.

Elas têm uma luz especial. Parece que, nelas, tudo é mágico. Posso dizer o que penso sem tanto medo. E posso esconder o que penso sem o medo de ser descoberto.

As telas têm algo que me tiram da tristeza. Nos jogos, me sinto o poderoso. Nas conversas, me vejo mais bem sucedido que na vida real. As telas me cativam e eu me deixo levar por seus convites. Desapareço da vista dos presentes. Ausento-me, sendo ainda visível. Não consigo desaparecer totalmente.

As telas têm algo mágico, que me faz pensar que eu tenho poderes especiais. E me faz crer que tenho mais amplitude de mente para fazer várias coisas por vez sem me dispersar. Vã ilusão…

As telas têm um toque quase divino. Através delas,

trago ao meu mundo o que está longe. E afasto de mim o que está perto.

Digo o que quero dizer impunemente. Ninguém pode me causar dano se eu decidir desligar a tela. É a porta de entrada e saída.

As telas têm o poder de mudar o meu ânimo. Uma notícia boa ou má. Uma mensagem que me fere ou me alegra.

Descobri que sou uma criança que está aprendendo a falar. Antes das telas, eu pensava que sabia. Depois, quando elas apareceram, desaprendi. Esqueci. E já não me lembro de nenhum número de telefone. Me tornei mais preguiçoso.

Eu creio que o Google é aquele Deus que sabe tudo. E eu, por um momento, também preciso saber.

Tento cuidar mais dos que estão por perto. Mas, entre nós, interpõe-se uma tela mágica. Não consigo vê-los como antes. Porque a prioridade são os mil avisos que dizem que alguém, longe ou perto, me pede algo.

E eu, não sei se por curiosidade, generosidade ou por um afã não reconhecido de ser necessário, vou rapidamente dando respostas a quem me espera. Porque para isso é que foi inventada essa tela invasiva, que altera minhas condutas, meus hábitos e meus tempos.

Agora, tenho que aprender, como as crianças, a me comunicar de verdade. Mais do que com palavras e gestos,com o coração.

Os emoticons que envio não podem substituir meus abraços de antes – ou meus beijos. Minhas palavras entrecortadas, que se deslizam pela tela, não conseguem preencher os vazios que, antes, enchiam de vida as minhas conversas profundas – talvez até mais verdadeiras e humanas.

Quero tocar a tela. Como uma criança que descobre algo novo em seu brilho, em sua magia. Mas, ao mesmo tempo, preciso aprender a usá-la. Para não ser um escravo com um peso nos pés que não me deixa andar.

Quero lutar para estreitar os vínculos que tenho. Quero viver no presente, e não deixar o tempo passar. Quero ser eu mesmo para os outros. E não me esconder atrás de mil caretas.

Respondo de coração. E não quero somente dar respostas rápidas. É que eu os amo.É o que eu sonho diante destas telas mágicas, que atraem o meu olhar.

[1] José María Rodríguez Olaizola, Bailar con la soledad

Tags:
Comunicaçãotecnologia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
6
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
7
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia