Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A geração Z tem o dobro de ateus, diz pesquisa

HUG AN ATHEIST,PROTEST
Shutterstock
Compartilhar

Os adolescentes de hoje têm muito menos probabilidade de frequentar a igreja do que as gerações anteriores

“Os jovens são o futuro da Igreja” pode não ser mais uma afirmação precisa.

Uma organização nacional de pesquisa diz ter encontrado um aumento significativo no ateísmo entre a chamada Geração Z – jovens nascidos entre 1999 e 2015.

O Barna Group divulgou os resultados de uma pesquisa mostrando que a porcentagem da Geração Z que se identifica como ateu é o dobro da população adulta dos EUA. Barna chama a Geração Z de a primeira geração verdadeiramente “pós-cristã”.

“Mais do que qualquer outra geração antes dela, a Geração Z não declara uma identidade religiosa”, diz o grupo de pesquisa. “Eles podem ser atraídos para coisas espirituais, mas com um ponto de partida muito diferente das gerações anteriores, muitos dos quais receberam uma educação básica sobre a Bíblia e o cristianismo”.

A porcentagem de adolescentes que se identificam como ateus é o dobro da população geral (13% contra 6% de todos os adultos), relata Barna.

Enquanto isso, a proporção de cada geração que se identifica como cristã vem caindo. Enquanto 75% dos Baby Boomers, aqueles que nasceram nos anos após a Segunda Guerra Mundial até a metade da década de 1960, são Protestantes ou Católicos, apenas 59% daqueles na Geração Z, que estão agora entre 13 e 18 anos de idade, dizem que são cristãos.

Em sua pesquisa, Barna se concentrou em barreiras: o que estaria mantendo os adolescentes de hoje afastados da religião que seus irmãos mais velhos, pais e avós adotaram? A existência do mal é um dos pontos.

“Adolescentes, junto com jovens adultos, são mais propensos do que os americanos mais velhos a dizer que o problema do mal e do sofrimento é um problema para eles”, diz Barna. “Parece que os jovens de hoje, como tantos ao longo da história, lutam para encontrar um argumento convincente para a existência do mal e de um Deus bom e amoroso”.

Outras questões que parecem ser obstáculos são a verdade, o conflito entre a religião e a ciência, e a falta de aceitação da diversidade nas congregações religiosas.

Mais de um terço da Geração Z (37%) acredita que não é possível saber com certeza se Deus é real, em comparação com 32% de todos os adultos. “Para muitos adolescentes, a verdade parece relativa, na melhor das hipóteses e, na pior das hipóteses, totalmente irreconhecível”, segundo o relatório. Mas, entre os adolescentes que frequentam a igreja, 49% dizem que “a igreja parece rejeitar muito do que a ciência nos diz sobre o mundo”, de modo que, no campo da ciência, o relativismo não parece ter tanta influência.

A hipocrisia e a falta de tolerância surgem como queixas entre os não frequentadores da igreja. No entanto, entre os da Geração Z que frequentam a igreja, as percepções de um local de culto tendem a ser mais positivas do que negativas:

“A maioria dos adolescentes religiosos diz que a igreja ‘é um lugar para encontrar respostas para viver uma vida significativa’ (82%) e ‘é relevante para minha vida’ (82%), que ‘eu posso ser eu mesmo na igreja’ (77%) e que ‘as pessoas na igreja são tolerantes com pessoas com crenças diferentes’ (63%). Percepções negativas têm uma moeda significativa, no entanto… Um terço [acha] diz que ‘as pessoas na igreja são hipócritas’ (36%). Além disso, um quarto afirma que ‘a igreja não é um lugar seguro para expressar dúvidas’ (27%) ou que o ensino a que estão expostos é ‘bastante superficial’ (24%)”.

Entre aqueles que dizem frequentar a igreja não é importante para eles – três em cada cinco adolescentes cristãos dizem: “eu acho Deus em outro lugar” (61%).