Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 11 Abril |
São Miguel de los Santos
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

As 16 carmelitas mártires que a Revolução Francesa decapitou

16 carmelitas martires de compiegne

Creative Commons

Reportagem local - publicado em 17/07/18

Vítimas da hipocrisia e do ódio disfarçado de "liberdade, igualdade e fraternidade", elas não tiveram medo de ser fiéis à verdadeira liberdade

Em 17 de julho, dia seguinte à celebração litúrgica de Nossa Senhora do Carmo, a Igreja rememora o martírio de 16 religiosas carmelitas durante a Revolução Francesa. Vítimas do ódio à fé que caracterizava uma parte muito relevante do assim chamado “iluminismo”, elas foram decapitadas em Compiègne, na França.

A morte sangrenta provocada pela perseguição contra a fé em Cristo havia sido profetizada cem anos antes, quando uma religiosa da mesma comunidade tivera uma visão: todas as freiras do convento, vestidas de branco, seguravam a palma do martírio.

A “liberdade, igualdade e fraternidade” revolucionária

Estabelecidas na região havia quase 150 anos, as carmelitas de Compiègne foram obrigadas, durante a “democrática” Revolução Francesa, a viver como leigas. Além disso, a lei revolucionária de 1790 forçava o fechamento do convento, o que acarretou a redistribuição das freiras em quatro casas separadas. Com muita “liberdade, igualdade e fraternidade“, as religiosas ainda tiveram que escolher entre assinar o “juramento revolucionário” ou sofrer a deportação.


Queda da Bastilha

Leia também:
Revolução Francesa: por que, exatamente, ela perseguiu os católicos?

Apesar da extrema hostilidade da qual todos os religiosos da França eram alvo, a priora carmelita Teresa de Santo Agostinho fomentou entre as irmãs da sua comunidade a fidelidade aos preceitos da vida conventual, que elas continuaram a praticar na clandestinidade. Entretanto, algumas denúncias às autoridades revolucionárias levaram a uma investigação que juntou “provas de vida conventual”: as carmelitas foram assim acusadas de “complô para restabelecer a monarquia e extinguir a República”.

As religiosas que foram presas se negaram a assinar novamente o juramento revolucionário e, acusadas de “conspiração contra a revolução”, foram amarradas e levadas a Paris em duas carroças. Na capital francesa, foram trancadas na prisão da Conciergerie, o que, praticamente, equivalia a uma confirmação da pena que as esperava: a guilhotina.

As freiras testemunharam no presídio uma grande firmeza na fé: além de continuarem rezando, elas ainda celebraram com solenidade a festa de Nossa Senhora do Carmo em 16 de julho de 1794.

No dia seguinte, o Tribunal Revolucionário as condenou oficialmente à morte.

À sombra da guilhotina, as carmelitas cantaram o mais solene dos hinos de ação de graças da tradição católica, o “Te Deum”. Após renovarem suas promessas e votos religiosos, foram uma a uma encarar de cabeça erguida o covarde fim material da sua vida, imposto por revolucionários brutais e homicidas que, com a típica hipocrisia que marca tais movimentos, se diziam “ilustrados e democráticos” defensores da “liberdade, igualdade e fraternidade“.

As 16 carmelitas mártires de Compiègne foram beatificadas por São Pio X em 1906.


Fernando Saperas mártir da castidade

Leia também:
O mártir da castidade: milicianos comunistas tentaram até violentá-lo, mas ele morreu fiel

Tags:
hipocrisiaHistóriaIdeologiaIgrejaintoleranciaMártiresPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia