Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Dependência: você deixa sua felicidade nas mãos dos outros?

COUPLE
Compartilhar

Você se move no plano da cooperação e colaboração ou no plano da dependência, obediência ou submissão?

Quando sua felicidade depende de outras pessoas, então você é uma pessoa emocionalmente dependente. Essa situação problemática faz você se sentir viciado em seu cônjuge ou em outras pessoas. Superar esse obstáculo é uma base sólida para garantir um crescimento pessoal contínuo e uma maior serenidade na vida.

Todos nós nascemos física e psicologicamente dependentes de nossos pais, mas o sucesso da educação consiste precisamente alcançar o mais alto grau possível de autonomia em um marco de empatia e solidariedade com os outros.

Em uma situação de dependência existe subordinação a um poder que é percebido como maior do que você mesmo. Por exemplo, no caso da dependência emocional, o habitual é que pelo menos no início a outra pessoa seja considerada como um ser superior, especial ou ideal.

Ao longo do tempo, a opinião pode mudar, mas quando você tenta abandoná-la, ocorrem sintomas de abstinência, como em algum vício e, em longo prazo, também baixa autoestima. A superioridade do poder do outro é um erro de percepção do dependente, que é precisamente quem lhe deu esse poder.

A dependência é o elemento central de muitos problemas e transtornos: nas relações pessoais, agressividade e violência, imaturidade emocional, dependência de drogas, certos transtornos de personalidade, incapacidade de emancipação, dificuldades em gerenciar suas próprias deficiências ou dificuldade de se organizar com outras pessoas para alcançar objetivos comuns.

Na dependência, o que é produzido é uma dificuldade em relacionar-se ao nível de igualdade entre duas pessoas que estabeleceram um vínculo.

Uma combinação muito frequente é a formada por uma pessoa que precisa de admiração constante, um narcisista, por exemplo, e uma pessoa com personalidade dependente. A necessidade do narcisista é cumprida pela necessidade do dependente de adorar alguém.

Essas relações também podem ser estabelecidas em nível de grupo entre o líder e seus seguidores. Um benefício secundário da posição dependente é ter um tipo de responsabilidade limitada pelo privilégio de não ter que tomar decisões.

O relacionamento de dependência costuma ser mútuo, embora com papéis formalmente diferentes. O aspecto menos visível da relação é revelado quando, por uma razão ou outra, a pessoa dependente está ausente. Em seguida, as carências sociais, psicológicas e diárias da qual ocupa a posição dominante. Muitas vezes é ela quem não sabe dar um passo por si só na vida real.

Algumas dicas para superar a dependência emocional

  • Reconhecer que pode haver uma dependência afetiva na minha vida.
  • Aprender a dizer não e a evitar relacionamentos tóxicos: indispensável para respeitar a si mesmo e recuperar a autoestima emocional.
  • Revisar suas próprias crenças, promovendo o pensamento crítico sobre seu próprio estilo de vida.
  • Amar de forma saudável ao relacionar-se com outras pessoas. Atitudes de isolamento não nos permitem ver outros relacionamentos mais saudáveis ​​e confirmam a impossibilidade de mudar.
  • Concentrar-se em suas expectativas e objetivos. Evite as expectativas de outras pessoas. Viva sua vida.

Relações verticais e relações horizontais

Ser ou agir de forma dependente faz parte do conjunto do que podemos chamar de relações verticais entre as quais inclui a própria dependência, obediência ou submissão.

Por outro lado, as relações horizontais são aquelas que permitem relações de colaboração e cooperação entre iguais. Essa geometria das relações é variável e é adquirida no ambiente mais próximo.

Nos referimos ao que aprendemos quando crianças sobre o que significa, por exemplo: ser autônomo ou dependente; assumir ou não responsabilidades; ter seus próprios critérios para julgar e tomar decisões ou sempre depender do outro; e manter uma atitude passiva ou proativa diante dos acontecimentos da vida e diante da sua própria vida.

Algumas pessoas se movem melhor em um tipo de relação do que em outra, mas fazer isso exclusivamente nas relações verticais sendo um adulto pode ser perigoso.