Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Guitarrista Carlos Santana: “Deus está sempre presente”

© ANGEL DELGADO - CLASOS.COM / AFP
(Photo by Angel Delgado).
Compartilhar

O famoso roqueiro mexicano diz que usa a música para convidar as pessoas a reconhecerem a “essência divina”

“Acredito que Deus esteja sempre presente; as pessoas que criam as divergências. Ainda ouço músicos como Wayne Shorter, que tem este amor pelo mistério. Sim, certamente se alguém ouve rádio pode ficar com esta impressão. Mas eu não ouço rádio, ouço gente que dialoga com Deus. E há muitos por aí. A música de hoje está cheia de ilusões.”

Este é o “solo” que o guitarrista Carlos Santana quer deixar impresso na memória de seus seguidores. E esse é o destaque da entrevista que ele deu para a La Republlica quando ele lançou seu último livro, “Soy Universal. Mi vida”. 

A música nos eleva 

O roqueiro mexicano conta tudo sobre a vida dele com muita naturalidade. Ele destaca que a conexão entre a música e o divino é o que mantém viva a sua veia criativa e a empatia com o público. “Agora, as pessoas são mais conscientes de que a música nos eleva. A música deve divertir também (isso é fundamental). Mas, ao mesmo tempo, deve nos elevar”.

A guitarra toca milagres 

Entre turnês mundiais, a casa em Las Vesgas e inúmeros reconhecimentos ao redor do mundo, Santana se detém a falar sobre a sua relação com a guitarra, o instrumento que o tornou famoso: “[A guitarra] é minha luz, a linguagem da minha luz. Eu tenho a luz como qualquer outro, mas se você for consciente, pode criar milagres também. Não é só o Papa ou o Dalai Lama. Qualquer um pode fazer isso, e quanto mais você souber disso, mais vai ajudar o planeta a sobreviver”.

O reconhecimento da essência divina

 Santana acredita que a música seja um dom, algo que ele define como “som universal”: “Todo dia eu me esforço para usar a minha guitarra e a minha música para convidar as pessoas a reconhecerem esta essência divina… O som universal está fora de mim e, no entanto, me atravessa. Não sou eu quem o cria. Apenas tento não bloquear o caminho”.