Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Nossa Senhora, corredentora? (III)

PIETA
Public Domain
Compartilhar

A que conclusões chegaram os estudiosos em Chestochowa?

Neste terceiro artigo da série, continuamos o debate em torno do pedido de ser Nossa Senhora definida, de forma solene, como Corredentora da humanidade.

A que conclusões chegaram os estudiosos em Chestochowa? – Os estudiosos reunidos para o XII Congresso Mariológico Internacional, realizado, em agosto de 1996, em Chestochowa (Polônia), atenderam a um especial pedido da Santa Sé e estudaram “a possibilidade e a oportunidade” da definição dos títulos marianos de “Medianeira”, “Corredentora” e “Advogada”. Era uma Comissão de quinze teólogos, peritos em Mariologia, vindos de diversas regiões e universidades do mundo católico, além de alguns poucos membros de outras comunidades cristãs: anglicanos, luteranos e ortodoxos.

Eles chegaram às seguintes conclusões: 1) Os títulos propostos podem não ter sentido devidamente claro a todos, de modo que correriam o risco de serem compreendidos de maneiras diversas pelo Povo de Deus; 2) Deve-se manter a linha do Concílio Vaticano II que não quis definir nenhum desses títulos, mas, ao contrário, os usou de modo muito sóbrio na Lumen Gentium (n. 62); 3) Desde o Papa Pio XII, o título de “Corredentora” não é usado em documentos papais de grande relevo doutrinário; 4) Quanto ao título de “Medianeira”, a Comissão recordou que, desde os primeiros decênios do século XX, a Santa Sé o estudou por meio de três comissões diferentes e acabou por abandonar a questão; 5) Mesmo se houvesse conteúdo doutrinário para definir esses títulos de Nossa Senhora agora, essa definição não seria teologicamente acertada, pois o assunto requer um aprofundamento na perspectiva da Trindade, da Eclesiologia e da Antropologia, e 6) os teólogos não católicos, bem como alguns católicos, viram na definição desse dogma, pontos de maiores dificuldades ao diálogo ecumênico (cf. L’Osservatore Romano, 24/06/1997; PR, p. 450).

Como entender, então, a questão da cooperação singular de Nossa Senhora na obra salvífica de Seu Filho Jesus Cristo? – Devemos entender como algo muito lógico a cooperação de Maria Santíssima na obra de salvação dos homens e mulheres, conforme bem expôs o Papa Paulo VI a título não dogmático, mas de ensino ordinário do Magistério da Igreja, na Exortação Apostólica Signum Magnum, n. 1: “A Virgem continua agora no céu a exercer a sua função materna, cooperando para o nascimento e o desenvolvimento da vida divina em cada uma das almas dos homens redimidos. É esta uma verdade muito reconfortante, que, por livre disposição de Deus sapientíssimo, faz parte do mistério da salvação dos homens; por conseguinte, deve ser objeto da fé de todos os cristãos” (PR, p. 449).

Em vez de corredenção é melhor dizer cooperação de Nossa Senhora na obra de seu Filho e no lugar de Medianeira usar Mãe de Deus? Por quê? – A resposta à questão acima é positiva, segundo Dom Estêvão Bettencourt, OSB: “Ao invés de Corredenção, pode-se falar, sem os mesmos riscos de ambiguidade e desvios doutrinários, de Cooperação de Maria na obra da salvação do gênero humano. Tal vocábulo se encontra na Lumen Gentium n. 53. 56. 61. 63. Já S. Agostinho utilizava o termo cooperatio em sua obra De Sancta Virginitate 6. O Papa João Paulo II, em sua catequese de 6/4/1997, falou amplamente da cooperação de Maria na obra da salvação”.

“Em lugar de Medianeira, recomenda-se o recurso ao título de Mãe de Deus (Theotókos) e Mãe dos homens (cf. Jo 19,25-27): Jesus quis confiar o gênero humano à tutela e à intercessão de Maria Ssma. (cf. Lumen Gentium n. 53-56. 58. 61. 63. 65. 67. 69). Na qualidade de Mãe, Maria intercede em favor dos homens desde a sua gloriosa Assunção até a consumação da história da humanidade” (PR, p. 448).