Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 28 Setembro |
Santos Alfeu, Alexandre e Zósimo
home iconAtualidade
line break icon

Filme revela artimanhas do ministério argentino da Saúde para legalizar aborto

Reportagem local - publicado em 24/07/18

Documentário explora vínculos financeiros e ideológicos entre ativistas e a multibilionária indústria mundial do aborto e da contracepção

Um documentário lançado pela produtora Faro Films revela ao público a estratégia adotada pelo ministro da Saúde da Argentina, Adolfo Rubinstein, para legalizar no país o aborto livre até a 14ª semana de gestação.

A 14ª semana da gravidez, diga-se de passagem, é um dos vários e flexíveis “prazos mágicos” que os defensores do aborto evocam, a modo de “ciência”, para proclamar que, antes disso, o ser humano não é um ser humano – e, portanto, pode ser exterminado à vontade.

A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou em junho um projeto de lei que permite o aborto até esse “prazo mágico” sem que seja necessária nenhuma justificativa, e, nos casos de estupro, risco à saúde da gestante e inviabilidade do feto, em qualquer momento da gestação, inclusive nas suas últimas etapas.

Além disso, o projeto que se autodeclara “democrático” proíbe a objeção de consciência institucional, tornando-se, assim, idêntico à ideologia em que se sustenta: puro e simples autoritarismo enviesado.

O documentário da Faro Films mostra que o ministro argentino da Saúde tenta mostrar “neutralidade” no debate, mas apela para “dados falsos” relativos a quantas mulheres realmente abortam no país e a quantas de fato morrem em decorrência do aborto ilegal.

Exemplos: pouco após assumir o ministério, Adolfo Rubinstein afirmou que havia 500 mil abortos por ano na Argentina, mas, ao se pronunciar na Câmara dos Deputados, reduziu o número para 47 mil. Quanto à morte de gestantes em decorrência do aborto, ele declarou que tinham sido 245 em 2016, mas os números do próprio Ministério da Saúde apontam 43. São inconsistências, para dizer o mínimo, berrantes – e aberrantes.

O documentário também observa que Rubinstein, nomeado ministro da Saúde poucos meses antes da votação do projeto de lei do aborto, mantém relação próxima com a Comissão Guttmacher-Lancet, financiadora internacional do aborto. Por sua vez, a Guttmacher-Lancet é ligada à famigerada Planned Parenthood, o maior conglomerado abortista do planeta – acusado desde 2015 de comercializar clandestinamente os órgãos e a pele dos bebês que são executados na sua rede de clínicas em território norte-americano.




Leia também:
Racismo e eugenia: por trás da maior rede abortista do mundo

Além de denunciar reveladores interesses econômicos dos ativistas pró-aborto, o filme destaca a chamativa omissão do projeto argentino de lei quanto ao destino dos restos mortais dos bebês assassinados, o que reforça as suspeitas de tráfico de órgãos – um dos mercados negros mais rentáveis (e abomináveis) do mundo.

O documentário não deixa passar o fato de que, em seu turno na presidência do G-20, a Argentina adere à assim chamada “agenda de desenvolvimento sustentável” que defende explicitamente o “acesso universal aos serviços de saúde sexual e reprodutiva, incluídos os de planejamento familiar, informação e educação, e a integração da saúde reprodutiva nas estratégias e programas nacionais“.

Trata-se de típica terminologia ideológica que, traduzida, significa ativismo abortista e contraceptivo, bastante conveniente a determinados e opacos setores da bilionária indústria médica e farmacêutica e, principalmente, a interesses eugenistas como os que são destacados nas seguintes denúncias feitas pela sobrinha de Martin Luther King:


ALVEDA KING

Leia também:
Sobrinha de Martin Luther King: “Se você se diz contra o racismo, combata o aborto”

O documentário

Assista aqui à produção da Faro Films:

Tags:
AbortoCultura do descarteIdeologiaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Claudio de Castro
O Purgatório e o misterioso alarme das 3 da manhã
2
Broken Mary
Reportagem local
Nasce (e cresce) nos EUA a inspiradora devoção a “Nossa Senhora D...
3
Maria Paola Daud
O dia em que Nossa Senhora parou a lava do vulcão Etna
4
Caio Batista, jovem ex-protestante que se tornou católico
Reportagem local
Carta de jovem ex-protestante repercute nas redes: “Sim, eu me to...
5
Vulcão Cumbre Vieja
Violeta Tejera
Vulcão Cumbre Vieja obriga pároco a evacuar capela às pressas
6
Santa Missa
Reportagem local
Quanto tempo devemos chegar antes da Missa?
7
Irmã Cecilia
Reportagem local
Quem sorri assim no momento da morte?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia