Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Os tiros na Divina Misericórdia e um Cristo que sofre junto ao povo

NICARAGUA
Compartilhar

Quadro da Divina Misericórdia foi alvo de tiros em uma igreja na capital do país; imagens comoveram o mundo 


Foram 15 horas de angústia, incerteza e dor. Durante todo esse tempo, balas de diversos calibres passaram raspando por cima das cabeças dos estudantes que tinham se refugiado na paróquia da Divina Misericórdia em Manágua, a capital da Nicarágua, depois de protestarem contra o governo.

A tragédia daquela noite terminou com dois jovens mortos pelos militares do regime de Daniel Ortega. Várias pessoas ficaram feridas.

As lembranças daquela noite permanecem e permanecerão na mente de todos. Os sinais das balas na imagem da Divina Misericórdia, que chocaram o mundo inteiro, serão símbolos indeléveis de um Cristo que sofre junto ao povo. 

O cardeal Leopoldo Brenes, Arcebispo Metropolitano de Manágua, presidiu uma Missa de desagravo na paróquia. Na oportunidade, o cardeal pediu força a Deus e aos fiéis neste momento delicado. 

Clique em “Abrir a galeria de fotos” para ver como ficou a igreja. 

 

A crise na Nicarágua

A manifestações começaram depois que o presidente Daniel Ortega, que está em seu terceiro mandato consecutivo, aprovou uma reforma previdenciária. As mudanças foram rejeitadas pela população. 

Os protestos contra as medidas ganharam força no mês de abril de 2018. O governo agiu com repressão e vários manifestantes foram mortos. 

Ortega revogou a proposta, mas os protestos não pararam. Os manifestantes fazem duras críticas ao governo, reivindicam a punição pelas mortes e a renúncia do presidente.