Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Um estudo de 8 décadas revela a chave para a saúde e a felicidade

PEOPLE
Shutterstock
Compartilhar

E não está relacionado com o ter...

O Estudo sobre o Desenvolvimento Adulto de Harvard (The Harvard Study of Adult Development) começou em 1938 com 700 homens jovens, alguns estudantes de Harvard e outros das áreas do centro da cidade de Boston. A pesquisa acompanhou esses jovens ao longo de suas vidas, monitorando sua saúde mental, física e emocional. O estudo continua hoje com mais de mil homens e mulheres, os filhos dos participantes originais.

O atual diretor do estudo – o quarto desde que a pesquisa iniciou – é o psiquiatra Robert Waldinger, que diz que “há muitas conclusões desse estudo, mas o mais fundamental, que ouvimos uma e outra vez, é que o importante para nos mantermos felizes e saudáveis ao longo da vida é a qualidade dos nossos relacionamentos”.

Nossos relacionamentos envolvem ser conectados a outras pessoas e, consequentemente, devemos inevitavelmente gerenciar conflitos. Vejamos mais de perto esses dois aspectos.

Estar conectado

Robert Waldinger explica que “nós descobrimos que quanto mais as pessoas têm relacionamentos satisfatórios e estão conectadas com as outras, seu corpo e mente permanecem saudáveis ​​por mais tempo”.

“Um relacionamento de boa qualidade é aquele em que você se sente seguro, no qual você pode ser você mesmo. Claro, nenhum relacionamento é perfeito, mas essas são qualidades que fazem as pessoas florescerem”. Não estamos falando de sentir-se bem o tempo todo, porque isso é impossível; todos nós temos dias difíceis, semanas ou até mesmo anos. No entanto, se temos bons relacionamentos e sentimos que temos pessoas com quem podemos contar, podemos superar os tempos difíceis com mais facilidade e com menos estresse emocional.

No outro extremo, há a experiência da solidão, um sentimento subjetivo de estar menos conectado do que gostaríamos. “A solidão mata”, diz Waldinger. “É tão poderosa quanto fumar ou o alcoolismo”.

Gerenciando conflitos

Waldinger reconhece que pode ser difícil não perder de vista o que realmente importa.

Em parte, isso ocorre porque recebemos mensagens de nossa cultura o tempo todo, com propagandas que nos dizem todos os dias que seremos mais felizes ou mais amados se comprarmos algum produto ou serviço novo.

Nos últimos 30 ou 40 anos, a riqueza foi glorificada; há bilionários que são considerados heróis apenas porque são bilionários. Comprar coisas parece um caminho mais fácil para a felicidade, porque os relacionamentos são difíceis; eles mudam e são complicados.

Os conflitos podem realmente minar nossa energia e prejudicar nossa saúde. No entanto, se nos isolarmos do mundo e de outras pessoas, embora possamos evitar conflitos de relacionamentos, nunca obteremos os benefícios sociais, afetivos, de saúde e econômicos que vêm de saber como viver com outras pessoas.

Em conclusão, passar tempo com outras pessoas e cultivar relacionamentos saudáveis, sem renunciar a nossa própria identidade e ideias, requer flexibilidade e equilíbrio, mas sempre será um grande presente para nós e para os outros.