Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Como distinguir entre os 6 tipos de depressão

DEPRESSION ADVICE
Djile - Shutterstock
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

Agir para combater o mais rápido possível um estado de espírito que impede que aproveitemos a vida

É conveniente distinguir depressão clínica (patológica) e seus vários distúrbios dos momentos particulares de desânimo e depressão superficial.

Em situações graves e disfuncionais, o mais conveniente é ir a um médico para intervir o mais rápido possível.

Por outro lado, o melhor remédio para manter um equilíbrio emocional e de atividade na vida é aplicar uma prevenção saudável.

A vida está em nossas mãos porque a recebemos com o dom da liberdade. Cabe a nós viver da maneira mais positiva possível sempre buscando nossos objetivos e ideais.

O que é depressão?

Sentir-se triste, melancólico, infeliz, abatido ou sem ânimo por alguns períodos curtos ou circunstâncias específicas é absolutamente normal.

Quando falamos de depressão clínica nos referimos a um transtorno de humor em que os sentimentos de tristeza, perda, raiva ou frustração interferem na vida diária durante um período de semanas ou meses.

É necessário considerar que a depressão pode aparecer em todas as idades, tanto em idosos, como nos jovens e nos adolescentes, apresentando sintomas diferentes em cada estágio da vida, como é no caso das crianças (desempenho escolar etc.).

Seus  sintomas 

  • Irritado ou com baixo humor na maioria das vezes.
  • Dificuldade em dormir ou dormir excessivamente.
  • Grande mudança no apetite, muitas vezes com ganho ou perda de peso.
  • Cansaço e falta de energia.
  • Sentimentos de inutilidade, sente ódio de si mesmo e culpa.
  • Dificuldade de concentração.
  • Movimentos demasiado lentos ou rápidos.
  • Inatividade e abandono das atividades usuais.
  • Sentimentos de desesperança e abandono.
  • Pensamentos repetitivos de morte ou suicídio.
  • Perda do prazer e interesse em atividades que geralmente o fazem feliz.
  • Desinteresse na vida íntima e sexual do cônjuge.

Tipos de depressão

  • Depressão maior: acontece quando os sentimentos de tristeza, perda, raiva ou frustração interferem na vida diária por semanas ou por períodos mais longos.
  • Transtorno depressivo persistente: este é um humor depressivo que dura 2 anos. Ao longo desse período de tempo, você pode ter momentos de depressão maior juntamente com momentos em que os sintomas são menos graves.
  • Depressão pós-parto: muitas mulheres sentem-se um pouco deprimidas depois de terem um bebê, mas a verdadeira depressão pós-parto é mais intensa e inclui os sintomas da depressão maior.
  • Transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM): sintomas depressivos que ocorrem uma semana antes da menstruação e desaparecem após a menstruação.
  • Transtorno afetivo sazonal (SAD): ocorre com maior frequência durante as estações de outono e inverno e desaparece durante a primavera e o verão, provavelmente devido à falta de luz solar.
  • Depressão maior com características psicóticas: acontece quando uma pessoa sofre de depressão com uma falta de contato com a realidade (psicose).

Ação

O melhor remédio, quando não há problemas biológicos na depressão, é a prevenção que busca um equilíbrio saudável na vida.

Para isso é necessário agir, porque quando mantemos certo nível de atividade, nos sentimos úteis e adquirimos certa sensação de controle sobre a nossa vida.

É por isso que é de vital importância que todos, independentemente das circunstâncias da nossa vida, reservemos um espaço todos os dias para fazer as coisas que desfrutamos, com as quais podemos desconectar do ritmo automático do dia a dia e ficar em paz com nós mesmos.

Um problema que geralmente aparece nas pessoas deprimidas é que elas perderam a habilidade de desfrutar da vida, as coisas sobre as quais elas eram apaixonadas já não são mais importantes, então, quando você pergunta quais atividades que elas gostam, elas não sabem o que responder.

Algumas dicas para que momentos de tristeza não se transformem em depressão:

  • Tenha hobbies e pratique-os tanto quanto você puder.
  • Defina metas e lute para alcançá-las, isso fará você se sentir vivo.
  • Seja como for, não se esqueça de reservar momentos para você e para fazer o que você gosta.
  • Não deixe seu humor determinar seu nível de atividade.

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições