Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

No Iraque e na Síria, uma das mais antigas comunidades cristãs está morrendo

IRAQ-CONFLICT-MOSUL-CHRISTIANS
FADEL SENNA / AFP
Compartilhar

Primeiro titular da Cátedra UNESCO de “Memória, Cultura e Interculturalidade” e professor honorário da Universidade Católica de Lyon, Joseph Yacoub fala com Aleteia sobre o futuro do cristianismo no Iraque e na Síria

À medida que a situação fica atolada em violência e instabilidade na Síria e no Iraque, o Oriente Médio está gradualmente perdendo suas comunidades cristãs. Joseph Yacoub, primeiro titular da Cátedra UNESCO de “Memória, Cultura e Interculturalidade” e Professor Honorário da Universidade Católica de Lyon, acaba de publicar um livro intitulado  Christians in the East in the face of Arab nationalism and Islamism (Cristãos no Oriente em face do nacionalismo árabe e do islamismo). Ele explicou a Aleteia o que está em jogo para preservar a diversidade cultural e a coexistência pacífica na Síria e no Iraque.

Aleteia: Desde 1984, você escreve sobre os cristãos orientais, especialmente os do Iraque e da Síria. Em 2003, você escreveu o livro Threats on Christians in Iraq (Ameaças aos cristãos no Iraque)… Você imaginou tal situação quinze anos depois?

Joseph Yacoub:  Em 2003, meu livro saiu menos de um mês antes da invasão dos EUA ao Iraque. Eu disse naquele momento que se os Estados Unidos desencadeassem uma guerra contra o Iraque, poderíamos prever ameaças aos cristãos naquele país. Quando se examina as coisas de perto, o passado – tanto o distante como o imediato – infundiu no presente. Várias guerras se seguiram: Irã-Iraque de 1980 a 1988, depois a Primeira Guerra do Golfo de 1990 a 1991. Ambas tiveram consequências muito infelizes para as comunidades cristãs.

Podemos dizer que o ano 1992-1993 foi um ponto de mudança para o país. O embargo imposto ao Iraque foi implacável, especialmente para as crianças. Não fazia distinção de religião e todo o povo iraquiano sofria. Colocado à prova por grandes dificuldades, o regime usou as lágrimas da religião para estabelecer seu poder. Este período marca o início da islamização progressiva do Estado e da sociedade com uma instrumentalização do islamismo pelo poder político. Uma atmosfera de violência se instalou no país. Na sociedade civil, multiplicaram-se os sinais de dessecularização. O bloqueio econômico e a atmosfera de violência levaram a um aumento da instabilidade política no país e causaram grande preocupação entre a população cristã iraquiana – preocupações com seu futuro e a de seus filhos. Eles não tinham horizonte, não tinham motivo para ficar em seu país. “Este país já não existe; já não é nosso país”, disseram eles.

Os cristãos no Iraque desaparecerão?

Em 2003, o número de cristãos no Iraque foi estimado em um milhão. Hoje, cerca de 60% deles escolheram o exílio. À luz desses números, o que aconteceu e a atmosfera geral, existe o risco de eles desaparecerem. Não devemos nos afastar deles. O país está atolado em instabilidade e violência e o poder político é incapaz de defender o interesse geral e o bem comum: existe, portanto, um risco real de que o número de cristãos diminua gradualmente até desaparecerem completamente. No Iraque como na Síria, uma das mais antigas comunidades cristãs do mundo está morrendo.

O êxodo é uma fatalidade para as comunidades cristãs no Iraque e na Síria?

O êxodo afeta todas as comunidades. A história está constantemente flutuando; as coisas estão mudando, então é difícil falar sobre uma fatalidade. Dado os fatos, esse êxodo pode ser corrigido? Por enquanto, a realidade sugere o contrário. Quanto mais a situação ficar atolada, menos é possível que essas comunidades considerem outras questões.

Quais são as consequências do desaparecimento das comunidades cristãs do Iraque e da Síria, considerado o berço do cristianismo?

O desaparecimento das comunidades cristãs do Iraque e da Síria seria uma tragédia sem precedentes, especialmente em dois países que viram o nascimento do cristianismo. A Mesopotâmia não é mera história antiga, nem os restos de um antigo passado ou uma memória empoeirada. É parte do presente, como cultura e civilização na memória de muitas comunidades cristãs orientais. Os cristãos orientais, os povos profundamente indígenas, herdeiros de um cristianismo indígena e apostólico que fala aramaico, são dotados de suas próprias liturgias que remontam aos primeiros séculos. Nas margens desses três rios bíblicos, Tigre, Eufrates e Khabur, entre o Iraque e a Síria, esses povos escreveram páginas que permanecem para sempre vivas na memória do Oriente.

Lembre-se que esses países são inscritos nos primeiros séculos no centro do cristianismo: esta não é a terra de Pedro e Tomé? São Paulo não fez sua conversão na estrada para Damasco? É em Antioquia, então a capital da Síria, que o nome dos cristãos apareceu pela primeira vez no ano 37. Um país das primeiras liturgias, a Síria enviou vários bispos ao Concílio de Niceia em 325. Como o cristianismo está consubstancialmente ligado a essas terras, o seu desaparecimento seria uma tragédia.

Como o cristianismo oriental se encaixa (ou não) no nacionalismo árabe?

Ao nível da identidade nacional, o nacionalismo árabe, como a secularização pode ter sido, tentou apagar todos os tipos de diversidade étnica e cultural e foi marcado pela ausência de democracia. Seu objetivo era impor a imagem de uma nação supostamente unificada do Golfo ao Atlântico. Mas isto é um mito e seu fracasso político contribuiu para o surgimento das correntes islâmicas que não conseguiu conter. Existe uma distinção entre arábico e nacionalismo como ideologia. Os nacionalistas árabes voluntariamente retiraram de sua história tudo o que precedeu a aparição do islamismo no século 7 e priorizaram o período árabe-muçulmano. Sati al-Husri, um teórico sírio do nacionalismo árabe, apresenta uma visão truncada da história que apaga tudo o que veio antes do século 7.

A história desses países é, no entanto, uma crítica ao nacionalismo árabe. Na sua continuidade e na sua unidade, cada civilização vem do que a precedeu e se enriquece com o que havia antes: aramaico e árabe são duas línguas irmãs. As contribuições são recíprocas e é lamentável notar que os ideólogos do nacionalismo árabe não integraram o cristianismo oriental e os eventos civilizatórios anteriores ao século 7 nas suas análises e em seu projeto político.

Como manter a diversidade cultural incorporada pelos cristãos orientais nesses países?

Há muitos obstáculos a superar. É uma questão de reconhecer o ser cristão oriental na sua existência e na sua essência da mesma forma e em pé de igualdade com o ser árabe-muçulmano. Isso conferiria legitimidade ao cristianismo oriental e profundidade histórica. Paralelamente, também apaziguaria os cristãos orientais que poderiam então dizer: “Este país é meu país”. Mais uma vez, não são os missionários ocidentais que vieram nos converter; os cristãos estão aqui há 2000 anos e são do Oriente. É uma característica que nos distingue do cristianismo ocidental. O cristianismo oriental, como o islamismo – a cultura árabe-muçulmana – são dois componentes religiosos e culturais fundamentais desses países. Reconhecer e integrar os cristãos orientais em igualdade com os árabes-muçulmanos – por inclusão nas constituições desses países, por exemplo – seria um grande passo para resolver o problema. A síntese do cristianismo oriental e do islamismo poderia produzir um ser oriental profundamente enraizado ligado ao seu país, independentemente da sua religião.

Mais pessoalmente, qual a sua visão da situação na Síria?

Como o profeta Jeremias lamentou, eu lamento pelo país onde passei minha infância. Este mosaico permanece na minha memória e continua a ser uma fonte de riqueza, mas continuo me perguntando: “Como acabamos aqui?”. A Síria sofreu de instabilidade crônica e ficou presa em um nacionalismo árabe que acreditava ser vitorioso, em detrimento de suas minorias. Não geriu sua diversidade porque não sabia como ver sua história: como uma terra de alta cultura e múltiplas civilizações.