Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Oremos pelos que nos perseguem: cofundadora do Femen se suicida

© THOMAS SAMSON / AFP

Reportagem local - publicado em 25/07/18

Peçamos misericórdia para sua alma e a graça da reflexão profunda e sincera para as suas companheiras que insistem na agressão e no vandalismo

O grupo feminista internacional Femen se tornou conhecido mundo afora por, segundo as próprias componentes, defender supostos “direitos femininos” mediante a rotineira agressão aos cristãos, seja com palavras, seja com violência física.

Rotina de agressões

É frequente que, seminuas e com mensagens ofensivas pichadas no próprio corpo, elas invadam igrejas para agredir a fé alheia em nome do que, contraditoriamente, consideram “liberdade de expressão”.

AFP PHOTO JOEL SAGET
Ativistas do Femen invadem a Catedral de Notre-Dame de Paris. 12 de fevereiro de 2013.

Em 2013, deu a volta ao mundo a triste imagem de um grupo de ativistas do Femen atacando o arcebispo belga dom Andre-Joseph Leonard, durante um evento em Bruxelas. O arcebispo não reagiu a essa mostra de “tolerância”.

© Benoit DOPPAGNE / BELGA / AFP

No Natal de 2014, a ativista Yana Zhdanova invadiu o presépio da Praça de São Pedro, no Vaticano, e, antes de ser detida pela polícia, chegou a retirar da manjedoura a estátua do Menino Jesus.

No Natal de 2017, a mesma cena histriônica foi repetida pela militante Alisa Vinogradova. Segundo testemunhas, entre as quais um fotógrafo da agência de notícias Reuters, ela correu em direção ao presépio berrando que “Deus é uma mulher”. Esta mesma mensagem estava escrita nas suas costas.

Femen Vaticano
Captura de Tela - Vídeo Reuters

Os atos de intolerância contra os cristãos se tornaram característicos das manifestações organizadas por esse e por outros grupos feministas que, degradando as próprias adeptas, afirmam, incongruentemente, defender o “empoderamento das mulheres”.

Com seus surtos de vandalismo, porém, o bando tem colhido sonoras reações críticas de (muitas) outras mulheres que não se identificam com seus reiterados espetáculos de agressividade e inadequação à convivência em sociedade.

A ex-líder do Femen no Brasil, Sara Winter, que abandonou esse grupo feminista em 2013, afirma que se trata de um bando caracterizado por histeria, mentira, intolerância, ódio, discriminação e forte doutrinação ideológica de viés esquerdista. Você pode conferir as declarações da própria Sara neste artigo:




Leia também:
Ex-líder do grupo Femen no Brasil reafirma: “O feminismo é o movimento mais intolerante que já conheci”

O suicídio de uma cofundadora

Nesta semana, o Femen volta às manchetes mundiais por mais uma notícia triste – e trágica.

Oksana Chatchko, cofundadora e ex-membro do grupo, se suicidou em seu apartamento em Paris.

Ela tinha apenas 31 anos.

Uma líder da organização, Inna Chevtchenko, confirmou o suicídio à agência de notícias AFP nesta terça, 24. Outra cofundadora do grupo, Anna Goutsol, confirmou a morte em sua página no Facebook, mas não informou a causa.

Oksana Chatchko participou da fundação do Femen com mais três militantes em abril de 2008, na Ucrânia. Após abandonar o grupo, ela passou a atuar na França como pintora.

Orações

A exemplo do arcebispo dom Andre-Joseph Leonard, que não pagou com agressão as agressões sofridas, e, principalmente, a exemplo do próprio Jesus, que nos pediu orar por quem nos odeia e nos persegue, perdoando setenta vezes sete, confiemos às mãos de Deus a alma de Oksana Chatchko.

Peçamos misericórdia para ela e, também, a graça de uma reflexão profunda por parte das suas companheiras, para se questionarem, perante a própria consciência, a respeito do que de fato estão fazendo com a própria vida e com a objetiva dignidade das mulheres.

Tags:
feminismoIdeologiaintolerancia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia