Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

López Obrador pede ajuda da ONU para combater corrupção no México

RIO
Compartilhar

O presidente eleito do México, Andrés Manuel López Obrador, anunciou nesta quinta-feira que pedirá ajuda das Nações Unidas para combater a corrupção e promover o respeito aos direitos humanos no México.

O combate à corrupção, um mal crônico no México, foi uma das bandeiras de campanha de López Obrador, que planeja economizar bilhões de pesos do dinheiro público com a redução desta prática.

“A ONU vai nos ajudar, vai nos apoiar porque tem uma agência” de transparência e combate à corrupção, disse López Obrador ao lado de Marcelo Ebrard, futuro chanceler mexicano.

O respeito aos direitos humanos será o outro campo em que o futuro presidente buscará uma estreita colaboração com a ONU.

“Nos interessa que a ONU possa constatar que em nosso país serão respeitados os direitos humanos, que nunca mais se cometerão violações dos direitos humanos como (…) o triste e doloroso desaparecimento dos jovens de Ayotzinapa”.

López Obrador se referia ao incidente ocorrido na noite de 26 de setembro de 2014, quando um grupo de 43 estudantes da escola rural de professores de Ayotzinapa, no estado de Guerrero, desapareceu após ser parado pela polícia da cidade de Iguala.

Segundo as investigações, os policiais entregaram os jovens a narcotraficantes, que executaram os estudantes e queimaram seus corpos.

López Obrador assume a presidência no dia 1º de dezembro, após vencer a eleição de 1º de julho com mais de 50% dos votos.

(AFP)