Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 03 Agosto |
home iconEstilo de vida
line break icon

Podemos medir nosso nível de felicidade?

HAPPINESS

Haritonenko - Shutterstock

Javier Fiz Pérez - publicado em 27/07/18

Será que a felicidade pode ser reduzida a fórmulas e ideologias?

A Assembleia Geral das Nações Unidas instituiu, em 2012, o dia 12 de março como Dia Internacional da Felicidade. A ONU reconheceu, assim, a importância de uma nova visão sobre o crescimento econômico, dando mais espaço a conceitos como desenvolvimento sustentável, eliminação da pobreza, felicidade e bem-estar da população mundial. A instituição, portanto, colocou em evidência que a felicidade é um objetivo primário para o ser humano, um direito individual e coletivo.

Mas a grande pergunta é: o que é felicidade?

Cada pessoa tem a própria definição de felicidade. Afinal, o importante é nos reconhecermos como pessoas felizes ou não.

Dos antigos pensadores e filósofos gregos até os dias atuais, passando pelas diferentes correntes de pensamentos, o ser humano vem tentando entender a felicidade.

A Revolução Francesa, levando em conta os direitos do homem e do cidadão, redigiu algo sobre o conceito de felicidade: “O objetivo da sociedade é a felicidade comum”.

Para o atual pensamento liberal, felicidade é ser livre para realizar as próprias ambições pessoais. É o espelho moderno da satisfação dos desejos do homem, que encontra seu sentido no consumismo.


CHILD

Leia também:
Como fazer a pergunta certa sobre a busca da felicidade

Podemos medir nosso nível de felicidade?

O relatório mundial sobre a felicidade da ONU (World Happiness Report) apresenta uma lista de países que, segundo critérios específicos, seriam mais felizes que outros.

De acordo com o relatório, estes seis fatores determinariam o quão feliz é uma sociedade:

  1. O produto interno bruto (PIB) per capita;
  2. A expectativa de vida;
  3. O grau de apoio social;
  4. O nível de confiança econômica;
  5. A liberdade dos cidadãos e o poder de tomar decisões sobre a própria vida;
  6. A dimensão social da generosidade.


KOBIETA

Leia também:
Os 7 pensamentos negativos que roubam a sua felicidade

Existe felicidade sem a dimensão social e espiritual?

Nossa felicidade está vinculada ao sentido que cada um consegue dar à própria existência. Felicidade sem relação é algo tão efêmero quanto fumaça sem fogo. Minha felicidade pressupõe que você seja feliz. Esta dimensão humanística e existencial é mais completa e satisfatória para o ser humano.

Felicidade requer liberdade e responsabilidade, dois grandes valores que podemos sentir e demonstrar quando entramos em relação com os outros. Não é uma questão de fórmulas ou ideologias, é uma questão de amor.


COUPLE

Leia também:
Dependência: você deixa sua felicidade nas mãos dos outros?

Existe felicidade verdadeira sem o amor verdadeiro?

O ser humano nasce e se realiza no amor. Tem necessidade existencial de amar e ser amado. Nossa vocação para a felicidade se manifesta por meio da nossa vocação para o amor. Por isso, a felicidade não pode ser reduzida a uma mera satisfação de nossas necessidades fisiológicas – como se o ser humano fosse somente um composto biológico.

Claro que o cenário mundial, em que milhões de pessoas não conseguem satisfazer suas necessidades vitais, nos dá uma tristeza enorme.

É por isso que o amor nos abre a todos os temas do desenvolvimento social, começando pela nossa família e seguindo para todas as outras famílias de diversas culturas e sociedades.

Meu valor, minha felicidade e minha estabilidade são equivalentes ao amor que eu tenho em meu coração. É o mesmo que dizia Santo Agostinho no século IV: “Pondus meum amor meus”.

Num mundo em que a prioridade parecer ser a sede de consumir, deveria soar mais em nossos ouvidos a frase lapidária: “Há mais alegria em dar do que em receber”.


PEOPLE

Leia também:
Um estudo de 8 décadas revela a chave para a saúde e a felicidade

Tags:
Bem estarFelicidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
4
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
5
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
6
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
7
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia