Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As 4 atitudes que podem destruir seu casamento

MARRIAGE
Roman Kosolapov - Shutterstock
Compartilhar

Você demonstra algum desses comportamentos regularmente? Seja cuidadoso!

De acordo com um estudo sobre casamento do Gottman Institute, há quatro comportamentos que causam 80% dos rompimentos conjugais: os chamados “Quatro Cavaleiros do Apocalipse”  (uma referência metafórica aos quatro cavaleiros que apareceram no final do tempo, como se vê no Novo Testamento, simbolizando a peste, a guerra, a fome e a morte).

Nesse caso, o psicólogo Dr. John Gottman usa essa imagem para descrever estilos de comunicação cuja presença pode prever o fim de um relacionamento. São as críticas, o desprezo, a defensividade e o silêncio.

Crítica

Claro, não precisamos ficar em silêncio quando algo nos incomoda ou não parece certo, ou quando não concordamos com algo. É importante que compartilhemos essas coisas; caso contrário, nosso cônjuge não terá nenhuma maneira real de saber que algo está nos incomodando. O tipo de crítica que o Dr. Gottman descreve como prejudicial é quando criticamos diretamente nosso cônjuge – a pessoa – em vez de alguns fatos particulares ou o que ele ou ela fez. Por exemplo, dizer ao seu marido que te incomoda quando ele deixa suas roupas sujas por aí não é a mesma coisa que lhe dizer que ele é estúpido, surdo, sujo, desarrumado e um porco porque ele não coloca suas roupas no cesto. No primeiro cenário, a ação é que está sendo criticada; no segundo cenário, a crítica é dirigida à pessoa.

Desprezo

Não só as ações do cônjuge são menosprezadas, pior, a pessoa está sendo constantemente menosprezada. Ou seja, um dos cônjuges rejeita, humilha e zomba do outro cônjuge, o que ele ou ela faz, ou no que ele ou ela está interessado. Quando mostramos desprezo, enviamos a mensagem de que “eu não amo você e eu não valorizo ​​você”. Basta pensar nessas pessoas que constantemente acusam seu cônjuge de não ter um trabalho suficientemente bom, ou de ser estúpido, pouco atraente, incapaz etc. – pior ainda se eles constantemente comparam seu cônjuge desfavoravelmente com outras pessoas.

Defensividade

As pessoas que estão constantemente na defensiva têm zero humildade. Elas não podem crescer porque não conseguem reconhecer seus próprios erros. Elas apenas se comunicam para se defender, ao invés de chegar a um acordo, trocar opiniões ou ouvir o outro. Como elas não reconhecem sua própria responsabilidade pelos problemas, elas se concentram exclusivamente em como se defender e atacar e culpar seu cônjuge.

Silêncio

Isso é o que estamos fazendo quando nos recusamos a responder perguntas ou quando damos respostas evasivas. É a postura que, às vezes, leva-nos a enviar uma mensagem ao nosso cônjuge que diz: “E…?”, ou “O que quer que seja…”, como se estivesse dizendo: “Não me importo, não estou interessado no que você pensa ou sente, ou no que você tem a dizer; isso é o que eu penso e minha opinião ou ponto de vista é tudo o que me interessa”. Seria bem diferente se disséssemos ao nosso cônjuge: “Não concordo com sua maneira de pensar ou com o que você está dizendo, mas podemos falar sobre isso e chegar a um acordo”.

Tome conhecimento de como vocês estão falando um com o outro, e o quão bem você está agindo. Se você vê que um Cavaleiro desses está entre vocês, trabalhem em conjunto para eliminá-lo e substitua o hábito prejudicial do comportamento por uma atitude apropriada que irá nutrir seu vínculo de amor.