Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Maduro vai regular venda de gasolina venezuelana

NICOLAS MADURO
Shutterstock-Marcos Salgado
Compartilhar

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou no sábado (28) novas regras para a venda da gasolina – a mais barata do mundo – durante o congresso do partido no poder que, paradoxalmente, debate a flexibilização dos rígidos controles sobre a economia para superar a crise.

Apesar de não mencionar uma alta, Maduro disse que os atuais preços dos combustíveis não cobrem os custos de produção e incentivam o contrabando. Ele então propôs regularizar sua venda através do cartão eletrônico que dá acesso aos subsídios do Estado.

“Dizer que doamos gasolina é pouco, a gente paga para jogá-la fora (…), temos que adotar um uso racional (…) e isso vai impactar todo o transporte automotivo”, declarou o presidente durante o Fórum do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Para isso, Maduro disse que entre os dias 3 e 5 de agosto será realizado um censo – por meio do cartão da pátria – para “todos que têm um veículo”.

A Venezuela tem a gasolina mais barata do mundo: com um dólar se pode pagar mais de três milhões de litros e o governo socialista denuncia que as máfias contrabandeiam o combustível para outros países.

Maduro anunciou na quarta-feira que em 20 de agosto irá eliminar cinco zeros da moeda – dois a mais do que o esperado – e um novo cone monetário surgirá em meio a uma inflação que, segundo o FMI, poderá chegar a 1.000.000% este ano.

Com a nova moeda de menor valor, de 0,5 bolívares (50.000 bolívares hoje), 50.000 litros de nafta poderiam ser comprados.

Analistas acreditam que essa distorção torna muito provável que o governo seja forçado a ajustar os preços dos combustíveis.

O aumento da gasolina é um assunto tabu no país do petróleo. Em 17 de fevereiro de 2016, Maduro aumentou pela primeira vez em duas décadas a um bolívar por litro.

– Flexibilização cambial –

A instalação do fórum, que acontece a cada quatro anos e será concluído na próxima segunda-feira, acontece em meio a uma guerra verbal entre o presidente Nicolás Maduro e dirigentes do chavismo, que pediram uma flexibilização da política intervencionista do Estado.

O ministro da Educação, Elías Jaua, da direção nacional do PSUV, confirmou que serão discutidos dois temas sensíveis: o regime cambial, uma vez que o Estado monopoliza as divisas desde 2003, e o preço da gasolina, a mais barata do mundo.

Enquanto o governo controla as divisas da economia, dependente de importações e em grave crise – com escassez de alimentos e remédios – o mercado negro marca o preço de vários produtos básicos.

O primeiro vice-presidente do PSUV, Diosdado Cabello, advertiu, no entanto, que o governo irá manter as políticas socialistas. “Nossa proposta é o socialismo do comandante Hugo Chávez”, sentenciou.

Dirigentes do chavismo pediram um giro econômico, gerando a reação de Maduro, que atribui a crise a uma guerra econômica promovida pelos Estados Unidos para tentar derrubá-lo.

Maduro defendeu que, com a reconversão monetária, inicia um programa de recuperação econômica que se aplicará “para o bem ou para o mal”.

“O Partido Comunista propõe que eu nacionalize de maneira revolucionária parte da economia do país, e isso não é negado (…), porque vamos dar um giro econômico”, afirmou.

(AFP)