Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa às Comunidades de Vida Cristã: só o amor de Cristo satisfaz o coração

POPE FRANCIS
Antoine Mekary | ALETEIA | I.Media
Compartilhar

“Rezar e refletir para que o Senhor conceda uma maior profundidade ao viverem o seu carisma”, de modo a continuar a ser “um presente para a Igreja e para o mundo”.

Palavras do Papa Francisco na mensagem enviada a Mauricio López, presidente do Conselho Executivo Mundial das Comunidades da Vida Cristã (CVX), reunidas em Buenos Aires na Assembleia Mundial nos cinquenta anos de sua fundação.

Aos 250 participantes, provenientes de 70 países – reunidos até o dia 31 de julho com o tema “Cuidar do dom que recebemos e oferecê-lo com alegria” – Francisco recorda antes de tudo o “dom” e a “graça” recebidos do Senhor ao longo dos anos e exorta todos a um humilde agradecimento, “porque Jesus percebeu vocês e confiou em vocês”, “independentemente de suas qualidades e virtudes”.

“Isto – sublinha o Papa –  supõe um chamado e uma responsabilidade, para sair de vocês mesmos e irem ao encontro dos outros, para alimentá-los com o único pão capaz de satisfazer o coração humano: o amor de Cristo”.

Que a “ilusão gnóstica – são os votos do Pontífice na mensagem – não desorientem vocês”.

Francisco recorda que no centro da “espiritualidade inaciana” na qual se inspira a comunidade, existe o desejo de “ser contemplativos na ação”.

“Contemplação e ação, as duas dimensões juntas” enfatiza o Santo Padre,  “porque só podemos entrar no coração de Deus através das feridas de Cristo e sabemos que Cristo está presente nos famintos, nos ignorantes, nos descartados, nos idosos, nos doentes, nos prisioneiros e em toda a carne humana vulnerável”.

Este “estilo de vida cristã”, salienta novamente o Papa, feito de “intensa vida espiritual” e de “trabalho”, significa “deixar-se plasmar pelo amor de Jesus, tendo os mesmos sentimentos, constantemente perguntando a si mesmo: o que eu faço por Cristo? O que eu fiz por Cristo? O que devo fazer por Cristo?”.

(Vatican News)