Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“Fake News”, pós-verdade e tecnologia… no século XIX

FAKE NEWS,JOURNALISM,NEWSPAPER
Reporter with "fake news" from an 1894 illustration by Frederick Burr Opper
Compartilhar

As acusações de falsidade contra informações tecnicamente gerenciadas podem parecer recentes, mas sua origem remonta há mais de um século

A origem das chamadas “Fake News” (“notícias falsas”) provavelmente remonta ao nascimento do jornalismo. As mentiras são tão antigas quanto a própria humanidade. No entanto, o conceito de “notícias falsas” tornou-se popular recentemente, ao lado de outro termo que está sendo muito usado hoje em dia: “pós-verdade”.

Essas palavras são como granadas de mão jogadas por rivais políticos, adversários econômicos e inimigos culturais com o objetivo de prejudicar a credibilidade das reivindicações de seus adversários.

Nesse contexto, a tecnologia desempenha um papel central. As plataformas e ferramentas digitais (internet, redes sociais, dispositivos móveis etc.) ajudam a produzir e propagar intrigas em larga escala, como em nenhum outro momento da história. No entanto, os analistas alertam contra o perigo de cair no extremo oposto, isto é, ignorar todo o conteúdo que chega através desses canais.

Em um curto período de tempo, muitas pessoas, de fato, passaram de um extremo a outro, de modo que agora não querem prestar atenção a qualquer material que tenha sido criado digitalmente ou que tenha viajado pelo ciberespaço.

Os avanços tecnológicos que, em termos gerais, são os mais vantajosos – como a robótica, a inteligência artificial, o Big Data – são percebidos como ameaçadores e, assim, contribuem para complicar ainda mais essa situação.

O debate parece novo, mas na verdade não é tão recente. Pode-se dizer que acusações desse tipo favorecidas por tecnocéticos (que não acreditam na tecnologia) têm uma data de origem conhecida: 8 de janeiro de 1889.

Naquele dia, o inventor norte-americano Herman Hollerith patenteou um tabulador de cartões perfurados eletromecânicos que lançou uma indústria baseada na aliança entre estatísticas e engenharia informática.

Três anos antes, ele iniciou um negócio que consistia em alugar dispositivos similares para o censo nacional dos EUA. Este sistema – o mesmo usado pelos condutores de trem quando eles perfuraram os bilhetes dos passageiros de acordo com o destino e outras opções, para evitar a fraude – tornou-se o segredo do sucesso da IBM, que foi fundada em 1911.

Enquanto o censo americano de 1880 estava em processo, o diretor da divisão de estatísticas vitais, John Shaw Billings, observou com preocupação que os trabalhadores estavam colendo dados e fazendo contas manualmente.

Então, ele fez a seguinte observação para um assistente: “Deveria haver alguma maneira mecânica de fazer esse trabalho, usando furos em um cartão. O assistente era Hollerith. Dez anos depois, o censo foi realizado utilizando esta técnica. O método de Hollerith permitiu economizar 5 milhões de dólares e oito anos de trabalho.