Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Será que a América Latina continuará sendo católica?

Creative Commons
Compartilhar

Região é considerada a “joia” do catolicismo, mas o número de fiéis tem diminuído

A Igreja Católica no Brasil, com 149.550.000 membros e no México, com 111.000.233 são, historicamente, as “joias” do catolicismo mundial (e da América Latina, em particular). 

Aqui está o bom exemplo da semente plantada com amor desde o ano de 1492, quando Colombo topou com o “Novo Mundo”. No entanto, as coisas mudaram. Em maio de 2007, em Aparecida, os bispos de todo o continente, encabeçados pelo então cardeal de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, lançaram um pedido de ajuda: não temos mais que sorrir. Temos que agir e pronto. 

Por que um Papa argentino? 

Talvez uma das principais razões de um latino-americano ter sido escolhido o primeiro Papa do “Novo Mundo” tenha sido a diminuição constante do rebanho na região mais católica do mundo. 

Basta lembrar que, em 1970, 92% dos habitantes da América Latina eram católicos. Hoje, segundo uma empresa de pesquisas do Chile (a Latinobarómetro), são 59% .

É importante destacar também que outro instituto, o Pew Reserch Center, diz que 69% da população da América Latina é católica.

As projeções, entretanto, mostram que a região não será mais a “joia” do catolicismo em 2030: a África terá mais católicos.

A Europa, por outro lado, está se perdendo. O berço do catolicismo abriga atualmente apenas 22% da população católica do mundo. Então, os cardeais, depois da renúncia de Bento XVI, dirigiram seus olhos para a América Latina. Foi uma forma de controlar a hemorragia que estava sofrendo Igreja Católica. 

Francisco conseguiu deter o êxodo de católicos? 

A pesquisa do Latinobarómetro é a primeira a revelar que, quase cinco anos depois de iniciado seu papado, o pontífice argentino não conseguiu controlar a saída de milhares de pessoas da fé católica. De acordo com o estudo, o percentual de católicos na América Latina caiu oito pontos desde que Francisco foi eleito. 

A queda mais acentuada foi no Chile. A população católica do país passou de 56% em 2013 para 45% em 2017. Parte disso se deve à crise aberta pelos encobrimento de casos de abusos sexuais pelo clero. 

Honduras, segundo a pesquisa, é o primeiro país da região em que os protestantes superam em número os católicos: 39% da população é protestante e 35% católica.