Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 03 Agosto |
home iconAtualidade
line break icon

Líder estudantil diz que resistência continuará na Nicarágua

NICARAGUA

Facebook-Arquidiócesis de Managua

Agências de Notícias - publicado em 07/08/18 - atualizado em 07/08/18

A mobilização nas ruas para pressionar a saída do poder do presidente Daniel Ortega vai continuar, apesar da aparente calma atual na Nicarágua – afirmou o líder estudantil Lesther Alemán.

Segundo o estudante de Comunicação, de 20 anos, Ortega não tem outra alternativa a não ser aceitar a antecipação das eleições, como pedem seus adversários, “porque, se não, será ingovernável”.

A repressão aos protestos contra o governo deixou 317 mortos, centenas de feridos, desaparecidos e detidos, enquanto milhares fogem do país pela repressão contra os promotores das manifestações e o impacto da crise sobre a economia.

“A resistência na rua vai continuar. Não porque eu venha e a convoque. É porque as pessoas têm esse sentimento de continuar nas ruas”, declarou Alemán à AFP em uma “casa de segurança”, onde vive na clandestinidade junto com outros estudantes.

Sua manifestação contrasta com a imagem de normalidade e calma que Ortega transmitiu em suas últimas aparições públicas, incluindo entrevistas com veículos internacionais.

“Há até 15 dias o país estava paralisado, mas vem-se recuperando”, declarou Ortega, em uma entrevista à rede americana CNN transmitida em 30 de julho.

“Há uma tendência a que o país se estabilize no campo econômico e comercial”, acrescentou.

Alemán afirma que esse quadro não corresponde à realidade.

“O êxodo em massa para Costa Rica e Honduras não é normal. O medo que as pessoas sentem nas ruas ao ver os paramilitares não é normal (…) O discurso de Ortega é uma mentira”, criticou.

Alemán está convencido de que a luta continuará por três caminhos: a resistência nas ruas da Nicarágua, a pressão internacional de organizações e países e o diálogo governo-oposição “para alcançar uma saída pacífica”.

O diálogo do governo Ortega com a Aliança Civil pela Democracia e pela Justiça fez de Lesther Alemán uma das figuras de mais destaque dos protestos iniciados em 18 de abril para exigir a saída de Ortega.

No primeiro dia do diálogo, em 16 de maio, Alemán tomou a palavra e, dirigindo-se diretamente a Ortega, exigiu do presidente que contenha a repressão dos estudantes. Também advertiu-o de que “esta é uma mesa para negociar sua saída”.

“Ortega perdeu as ruas, perdeu a legitimidade, perdeu a governabilidade que pintava para fora, perdeu o apoio internacional e perdeu as bases de seu partido. Perdeu a Nicarágua”, frisou Alemán.

Para o líder estudantil, a saída de Ortega é a única solução para a crise na Nicarágua. O primeiro acordo do diálogo entre governo e oposição deve ser a antecipação das eleições de 2021 para 2019, de modo a assegurar sua saída para antes do previsto.

“Deve renunciar, porque a crise na Nicarágua é pela presença de Ortega; os crimes de lesa-humanidade são por Ortega no poder; a crise econômica é pela presença de Ortega no poder”, insistiu.

Ortega rejeita a possibilidade de deixar o cargo.

– Uma nova Nicarágua –

Lesther Alemán reconhece que o clima de protestos em massa contra o governo Ortega se amenizou, mas tem certeza de que voltará.

“Isso é um terremoto social. As forças podem se recolher, talvez a gente não veja marchas em uma semana. Você precisa disso, porque o ser humano se cansa, mas retoma forças para seguir”, explica.

Ele está convencido de que a mobilização tem de continuar até alcançar o sonho de ver mudanças no país, onde os adversários de Ortega acusam o presidente de instaurar uma ditadura corrupta junto com sua mulher e vice-presidente, Rosario Murillo.

“Em 18 de abril, nós deixamos sonhos, desejos e metas de lado (…) Mas, quando acontece esta insurreição pacífica de jovens, dissemos que há um único sonho que vamos lutar para conseguir: que é ver a Nicarágua livre”, completou.

“Ortega vai sair como a pior coisa deste país. Acredito que vá ser lembrado pelo tanto de sangue que derramou, pelo quão injusto e ditatorial ele foi e porque centralizou tudo a seu favor. Assim será lembrado”, vaticina Alemán.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
4
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
5
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
6
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
7
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia