Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

O aborto é, cientificamente, indefensável

MARCH FOR LIFE ROME MAY 19
Antoine Mekary | ALETEIA
Compartilhar

Sim, há, de modo inegável, uma nova vida humana desde a concepção

Ao estudar, com vivo interesse, Medicina e Bioética não se pode deixar de constatar que o aborto é, cientificamente, indefensável. Quem o defende, parece fazê-lo muito mais por razões ideológicas que científicas.

Não é necessário grande esforço para saber que seria ilógico, por exemplo, definir uma casa como mero aglomerado desordenado de tijolos. Ora, também é absurdo determinar o ser humano, em seus primeiros dias de vida (sim, há, de modo inegável, uma nova vida humana desde a concepção), como simples acúmulo de células que pode ser descartado qual dejeto qualquer. E por que afirmamos isso?

Por saber, com certeza científica, que da fusão – na fertilização – dos 23 cromossomos masculinos trazidos pelo espermatozoide e dos 23 femininos contidos no óvulo surge um novo ser vivo diferente do pai e da mãe. Cada um de nós começou a vida, portanto, como uma simples célula chamada zigoto, que tem três principais propriedades.

A primeira é a coordenação. O desenvolvimento da nova vida trazida no ventre materno, em seus primeiros dias, é um processo complexo e belo que apresenta, sem dúvida alguma, a rigorosa unidade do novo ser humano, pois há nele ordenada sequência e coordenada interação de atividades moleculares e celulares sob controle do novo genoma – termo criado, em 1920, por Hans Winkler. Sim, os genes reguladores presentes nesse código genético asseguram o tempo exato, o lugar preciso e a especificidade dos eventos de modelagem do novo vivente. Daqui, se conclui que o embrião é, mesmo em seus 14 primeiros dias, um indivíduo real no qual cada célula individual está integrada em um único processo demonstrador da existência de um novo ser vivo e autônomo.

A segunda é a continuidade. De fato, não há ruptura, mas uma sequência bem sistemática no novo ser humano em desenvolvimento a partir da fusão do espermatozoide e do óvulo (a singamia). O zigoto é, portanto, o princípio de um novo organismo em seu contínuo (e jamais interrompido) ciclo vital, de modo a não existir aí uma fase mais importante que outra, pois todas elas são parte de um processo ininterrupto. Se essa continuidade não ocorrer, o processo vital cessa. Desse modo, o que há são etapas de diferenciação – ininterruptas e progressivas – qualitativas e complexas, de um verdadeiro e único indivíduo humano. Indivíduo bem definido que será, logo, chamado de Maria, de Antônio, de Luan etc.

A terceira é a graduação. A forma final do novo ser humano concebido é atingida gradualmente como em toda reprodução sexuada ou gâmica. Portanto, também o ser humano começa seu ciclo vital como célula única que, desde o estado de zigoto, mantêm, de modo regular, um desenvolvimento permanente e bem orientado até sua forma final. Isso tudo – frisemos bem – não vem de fora, mas de dentro, ou seja, é uma virtualidade contida no próprio genoma a partir, é claro, da concepção. É científico e lógico afirmar, então, que cada ser humano tem, desde as primeiras horas, sua própria identidade, individualidade e unicidade que hão de acompanhá-lo para sempre.

Isso posto, não se entende bem porque alguns defendam existir vida apenas a partir do 14º dia quando já há as células cerebrais no novo ser humano. Aliás, por volta de 2006, um médico afirmava que alguém é dado como medicamente morto quando se constata nessa pessoa a cessação do sistema nervoso. Como até o 14º dia o nascituro não tem ainda sinais do sistema nervoso, então também não é vivo, concluía o médico.

Ora, essa afirmação, além de não considerar o que aqui expusemos, comete um grave erro de lógica filosófica. Sim, o moribundo não tem mais sinais do sistema nervoso, e o nascituro, antes de 14 dias, não tem ainda os referidos sinais, mas irá desenvolvê-los. Tal distinção é imprescindível, embora não pareça fazer diferença a quem prefira, na hora de defender o aborto, a mera ideologia à Ciência, à Lógica ou ao Juramento de Hipócrates, o pai da Medicina no Ocidente. Infelizmente!

Aleteia Top 10
  1. Lidos