Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

Sinal da cruz: qual é o seu significado e quando devo fazê-lo?

Compartilhar

Quando surgiu este costume? Por que fazemos o sinal da cruz sobre a testa, lábios e coração? Quais os melhores momentos para fazer este gesto?

A cruz é o símbolo maior de cada cristão. No entanto, há dúvida sobre o significado desse sinal aos católicos. E a razão do sinal da cruz ser traçado sobre a testa, peito, e coração, como ainda os momentos em que se deve fazê-lo.

De modo claro, a cruz é importante já que se trata de marca da salvação de cada um, dada por Jesus. São João Paulo II afirmou que a cruz é “sinal de um amor sem limites”. Mas, de acordo com o Catecismo Jovem, fazer sobre o corpo o sinal da cruz, representa ação a se colocar sob proteção divina que é trino.

No inicio do dia, no início de uma oração, e também no começo das tarefas de importância, o cristão se coloca sob o “sinal da cruz”, e então começa a sua ação em “nome do Pai e do Filho e do Espírito”. A invocação nominal de Deus trino, por quem as pessoas estão rodeadas de todo lado, é capaz de santificar as coisas que as pessoas empreendem, ela concede a bênção, e ainda fortalece as pessoas em dificuldades e em tentações.

Origem do Sinal da Cruz

A prática do sinal da cruz acontece desde primórdios da Igreja. Atualmente, a prática é vivida na Igreja Romana, e na Ortodoxa. O começo da sua prática tem origem ao padre da Igreja de nome Tertuliano, que vivia no terceiro século.
Ele nasceu aproximadamente em 160 d.C e faleceu em 220 d.C.

Em um dos escritos dele, denominado “De Corona Militis”, é encontrada com clareza esta prática, que tem descrição por ele do seguinte modo:

“Quando nos pomos a caminhar, quando saímos e entramos, quando nos vestimos, lavamo-nos e iniciamos as refeições, quando vamos nos deitar, quando nos sentamos, nessas ocasiões e em todas as nossas demais atividades, persegnamo-nos a testa com o sinal da cruz”.

E uma dúvida comum, é sobre o significado litúrgico em relação ao sinal da cruz. No livro sobre sacramentos, o professor Felipe Aquino, indica o significado litúrgico em relação ao sinal da cruz.

Afirma que a cruz na testa lembra que deve ser entendido o Evangelho, conhecido, estudado. E a cruz nos lábios lembra que o Evangelho deve ser anunciado, proclamado. E a cruz no peito, para altura do coração, indica para as pessoas que, acima de tudo, o Evangelho deve ser pregado, vivido e testemunhado pelos indivíduos todos que acreditam na ressurreição de Jesus Cristo.

Quando fazer o Sinal da Cruz

É ressaltado por YouCat a importância de ser feito o sinal da cruz anteriormente do começo de uma oração, ou ainda de tarefas do cotidiano. Mas, além de ritos sacramentais e litúrgico, em que existem as horas propícias a se fazer o sinal da cruz, não há normativa em relação à Igreja que obrigue a fazer esse sinal o católico, de exemplo, quando passar na frente de uma igreja.

Porém, a tradição ensinou as pessoas a este e mais costumes que fazem demonstração de devoção ou respeito. Assim, não é pecado se a pessoa passa em frente à igreja e não faz o sinal da cruz. E, se fizer, vai ser uma bela demonstração da manifestação da própria fé e do amor.

E como há um dia dedicado em especial para exaltação da Santa Cruz, como esta se caracteriza o maior sinal de cristãos e a manifestação do amor que não tem limites de Deus pelas pessoas, e ainda representa um meio de as pessoas se colocarem sob proteção de Deus, parece ser uma prática boa e de importância.

Como é aconselhado por São Cirilo de Jerusalém:

“Não nos envergonhemos de professar o Crucificado, selemos confiadamente a testa com os dedos, façamos o sinal da cruz, sobretudo sobre o pão, a comida, e os copos de que bebemos! Façamo-lo quando vamos e quando vimos, antes de dormir, ao deitarmo-nos e ao levantarmo-nos, quando andamos e descansamos!”

Ação presente do Sinal da Cruz

Assim, na certeza de que a força de Deus acompanha todos nas suas provações diárias, é ideal fazer o sinal da cruz um gesto da profissão de fé, e de fortalecimento, com atenção para sempre que o traçar, o coração esteja cheio de devoção.

Como ensinou o Santo Papa João Paulo II:

“Quem quer que seja que acolha Deus em Cristo, acolhe-O mediante a cruz. E quem acolheu Deus em Cristo, exprime isso mesmo mediante esse sinal: quem O aceitou, efetivamente, benze-se com o sinal da cruz sobre a fronte, sobre os ombros e sobre o peito, para manifestar e para professar que, na cruz, encontra-se de novo totalmente a si mesmo, alma e corpo, e que com este sinal abraça e aperta ao peito Cristo e o seu reino.”

 

(via Jovens Católicos)

Aleteia Top 10
  1. Lidos