Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Padres lançam manifesto contra ativismo judicial que tenta descriminalizar aborto

Padres Brasil
CC
Compartilhar

“Queremos saber por que o STF quer fazer isso. Por que quer legislar? Por que quer legalizar a matança de bebês no ventre de suas mães?”

A partir de matéria da agência ACI Digital

Diante das investidas que tentam descriminalizar o aborto no Brasil através de ação no Supremo Tribunal Federal (STF), diversos sacerdotes do país lançaram um manifesto denunciando o ativismo judicial.

O manifesto em formato de vídeo foi publicado nesta quinta-feira pelo pe. Augusto Bezerra, da Arquidiocese do Rio de Janeiro, em sua página no Facebook, e, em apenas uma hora, já tinha alcançado milhares de visualizações e centenas de comentários.

No vídeo, os presbíteros questionam:

“Queremos saber por que o STF quer fazer isso. Por que tanta maldade? Por que quer legislar? Por que quer legalizar a matança de bebês no ventre de suas mães?”

“Isso é um absurdo!”, expressam, denunciando que “ativismo judicial é crime”.

E conclamam a população:

“Parem o STF. Pela proteção da vida da mulher e da criança. Não ao aborto. Sim à vida”

Padres participantes

Somam-se a este manifesto, além do pe. Augusto Bezerra, o pe. Nivaldo Júnior, também da Arquidiocese do Rio de Janeiro, os sacerdotes da Arquidiocese de Salvador (BA) pe. Gabriel Vila Verde, pe. Cleiton Alencar e pe. Charles Assis e os presbíteros da Arquidiocese de Niterói (RJ) pe. Matheus Pigozzo e pe. Williansmar Paulo.

Fazem parte do vídeo, ainda, o pe. Wellington de Castro, da Arquidiocese de Campo Grande (MS); o pe. Luis Fernando Alves, da Diocese de Itumbiara (GO); o pe. Pedro Paulo Alexandre, da Arquidiocese de Florianópolis (SC); o pe. Leonardo Henrique, da Administração Apostólica São João Maria Vianney (RJ); e o pe. Jeferson Verones, da Diocese de Itabira (MG).

A audiência sobre o aborto

Neste início de agosto, nos dias 3 e 6, o STF realizou uma audiência pública para debater a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 442/2017 (ADPF 442), que foi proposta pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Esta ADPF 442 questiona os artigos 124 e 126 do Código Penal, que tipificam o crime de aborto, alegando a sua inconstitucionalidade. Assim, propõe a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) foi representada na audiência pelo Bispo de Rio Grande (RS), Dom Ricardo Hoepers, que possui formação voltada para a área de Teologia Moral e Bioética, e reiterou a posição expressa pela Conferência “em defesa da vida humana com toda a sua integralidade, dignidade e inviolabilidade, desde a sua concepção até a morte natural”.

Também falou em nome da CNBB o Padre José Eduardo de Oliveira, da Diocese de Osasco (SP), professor de Teologia Moral, o qual apresentou estatísticas reais sobre o aborto no mundo, questionando dados apresentados por entidades pró-aborto.

O sacerdote também denunciou o ativismo judicial lembrando que o “Supremo Tribunal Federal não pode legislar”.