Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 25 Julho |
home iconEm foco
line break icon

Aborto em um mundo desumanizado

CHŁOPIEC I MIŚ

Gisele Sugai - publicado em 10/08/18

Brincar de dono da vida dos outros é muito perigoso

Depois de ler artigos esclarecedores e técnicos, mas, às vezes, com uma evidente pitada de doçura ao falar sobre “quando começa a vida”, decidi também escrever.

Afinal, é muito animador saber que existem pessoas que pensam e lutam pela vida, nesses tempos incertos, em que a apologia à morte, e à violência permeiam, sorrateiramente, nossos pensamentos.

Vamos pensar que somos parte interdependente de tudo isso. As palavras que escolhemos, o jeito desconfiado como olhamos o outro, o tom da nossa voz, a forma como julgamos as pessoas, a atração que temos por uns e a aversão que sentimos por outros, entre tantas outras coisas não poderiam resultar em nada mais nada menos do que na insana defesa da “morte para proteger a vida”, no caso do aborto.

E entendo, nesse contexto, que o aborto está na mesma categoria da eutanásia. São faces de uma mesma moeda e se encontram nos limites muito tênues entre o começo e o fim da vida.

Sinto que tentar definir sobre quando começa a vida e quando ela termina é apenas mais um dos recursos nefastos e egoístas que utilizamos para justificar essa nossa violência disfarçada de preocupação com os direitos e os sofrimento das mulheres e dos seus filhos já nascidos. Aquele por nascer não interessa.

Sou médica e sou mãe. Todavia, agora, não falo nem como médica nem como mãe. Agora, falo apenas como gente, como ser humano tal qual somos todos nós. E como gente, afirmo: para mim não existe nenhum motivo plausível que justifique tirar a vida de alguém. Nem que seja para aliviar o sofrimento de outra pessoa.

Afinal, a beleza da vida está no seu modo natural de se apresentar a cada um de nós, trazendo, muitas vezes, boas surpresas e outras vezes nem tanto. Por isso, creio que interferir na dinâmica natural da vida é, no mínimo, ingênuo e perigoso!

Creio que é por isso que se tem perguntado, firmemente, se a humanidade tem futuro? Sim, pode parecer estranho – e até bobagem – dizer isso, mas não é. Há livros publicados sobre o tema, nos Estados Unidos, a afirmar que nosso grande (ou maior) problema é a desumanização genética do ser humano. O humano por nascer, não obstante todas as provas científicas em contrário, não seria gente. É um amontoado de células, é algo (não alguém) sem vida, um ser cerebralmente morto etc.

É o perigo de não sermos mais gente. De recusarmos a humanidade do próximo e, por consequência, a nossa própria. Nada é nada. Tudo é válido e lícito, porque está na moda e a lei permite. Seria o fim da humanidade na qual alguns decidem quem vive e quem morre. Ou pior, quem, segundo os padrões desses poucos, podem viver e quem deve ser exterminado, no ventre materno ou fora dele.

Afinal, quem teria humanidade ética suficiente ou seria gente para condenar qualquer tirano homicida da História, se também essa pessoa defende o homicídio. Brincar de dono da vida dos outros é muito perigoso. Nem quero pensar nisso. Com uma arma na mão, esse alguém tira, de repente, a vida de quem, segundo seus insanos e subjetivos critérios, não mereça viver. Digo insano, mas se for analisar bem, essa pessoa que brinca de poder decidir (e decide) sobre a vida dos outros pode pensar: que diferença faz matar no útero materno ou fora dele?

É em nome dessa humanidade, desse ser gente, presente em cada um de nós, que faço um apelo em favor da vida, desde a concepção até o seu fim natural. Sem exceções. É perigoso demais querer – e poder – decidir sobre a vida alheia. Pensemos nisso!

Gisele Sugai é médica generalista. Especialização em Neurologia/Neurociências.

Tags:
AbortoVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia