Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 02 Agosto |
Santo Eusébio de Vercelli
home iconPara Ela
line break icon

Conheça a socialista que se tornou uma serva dos pobres

JIM FOREST | CC

Carmen Neira - publicado em 10/08/18

A história de Dorothy Day aponta para a nossa profunda necessidade de conexão humana no serviço às pessoas, e não apenas às ideologias

Dorothy Day entendeu que as pessoas precisam formar uma comunidade e buscar laços de amizade. Com seu trabalho e seu exemplo, ela mostrou ao mundo que é possível lutar pelo bem comum, pela justiça e pelos outros dentro de uma sociedade individualista. Ela lutou contra o sentimento de solidão e é por isso que ela intitulou sua autobiografia The Long Loneliness(A Longa Solidão). Ali ela explica:

“Eu estava sozinha, mortalmente sozinha. E eu logo veria, mais uma vez, como já fiz em outras ocasiões, que as mulheres são especialmente seres sociais que não se contentam apenas com um marido e uma família; elas também precisam ter uma comunidade, um grupo, uma troca com os outros. Um filho ou uma filha não é suficiente. Um marido e algumas crianças, não importa o quão ocupada eles a mantenham, também não são suficientes. Nós mulheres, jovens e velhas, somos especialmente vítimas da longa solidão, mesmo nos anos mais ativos de nossas vidas”.

Jornalista e ativista social

Dorothy Day nasceu no Brooklyn, Nova York, em 8 de novembro de 1897. Ela cresceu em uma casa modesta. Seus pais eram protestantes e se casaram na igreja episcopal. Ela não foi batizada, nem teve devoções ou religiosidade.

Mas um evento a marcou aos 8 anos – o terremoto de São Francisco: “Minha memória mais clara do terremoto é o calor humano generalizado e a bondade que seguiu após isso. […] Após o terremoto, a caridade cristã encheu o coração das pessoas” (Dorothy Day,  My Conversion). Este evento que ela viveu tornou-se a semente do grande Movimento Operário Católico, onde acolheria os marginalizados da Terra.

Ela começou seus estudos universitários na Universidade de Illinois e conheceu os ideais do proletariado. Ela se apaixonou pelo poder das massas graças às ideias marxistas: “Foram os pobres e os oprimidos que a levariam: eles eram coletivamente o novo Messias que redimira os perseguidos, flagelados, presos e crucificados”.

Aos 18 anos, ela saiu da universidade e começou a escrever e se envolver em ativismo em Nova York. Ela trabalhava em um jornal e morava em uma pequena sala onde ela só dormia depois de longos dias de trabalho. Naquela época, ela era muito agressiva. Ela comemorou a revolução russa, foi presa pelo exigente direito de voto das mulheres e iniciou uma greve de fome na prisão que a deixou isolada e privada de companhia.

Durante esses dias, ela pediu uma Bíblia para um guarda (era o único livro que tinham permissão para ter) e começou a se sentir atormentada pela ideia de Deus. Ela tentou se afastar da Bíblia, mas pouco a pouco pegava para ler. Ela escreveu uma vez que, mesmo depois de passar a noite em um bar, ela entrou em uma igreja e se ajoelhou.

Sua vida romântica também não era simples. Ela conheceu um jovem judeu, Lionel Moise, e se apaixonou por ele. Ela ficou grávida e sentiu-se forçada a abortar. Pouco depois, ela se casou com Barkeley Tobey, mas seu casamento não durou mais de um ano. Ela se apaixonou novamente, desta vez por Foster Batterham, e ficou casada. Como disse, ele era “um anarquista, um inglês por descendência e um biólogo”.

Conversão e o mundo dos trabalhadores

Ela engravidou novamente e viveu isso com grande felicidade. “Fiquei surpresa quando eu comecei a rezar todos os dias”, explica em sua autobiografia. Ela colocou o nome de Tamar em sua filha e, depois de muita reflexão, sabendo que seu marido deixaria, ela também decidiu ser batizada. Ela confessou e recebeu a comunhão pela primeira vez.

A partir desse momento, sua vida religiosa se aprofundaria, e ela encontraria Peter Maurin. Com ele, ela fundou um grande trabalho para ajudar as classes sociais mais baixas: The Catholic Worker (Movimento Operário Católico). Peter Maurin tinha o peso intelectual católico e ela trouxe força ilimitada e amor aos mais pobres, inspirados pelo Evangelho. Ambos fizeram história.

The Catholic Worker passou a ser um jornal com uma circulação de mais de 150.000 cópias, e graças aos esforços da Dorothy, eles criaram uma rede de albergues que se tornou um ponto de referência social e caritativo nos Estados Unidos. Atualmente tem 227 comunidades.

Ela nunca parou de lutar pelos trabalhadores. Ela conheceu e visitou a Madre Teresa em Calcutá e no seu 80º aniversário, recebeu calorosas felicitações do Papa Paulo VI. O Papa Francisco a mencionou em seu primeiro discurso nos Estados Unidos, e agora, como Serva de Deus, espera-se que ela seja canonizada em algum momento no futuro.

Ela sempre quis ser lembrada com estas palavras: “Como uma humilde crente que fez o que pôde para viver de acordo com os ensinamentos bíblicos, que continuei estudando, por exemplo, o sermão da montanha”.

Tags:
MulherValores
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
4
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
5
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
6
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
7
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia