Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Sua empresa se preocupa com você?

WORK
Yakobchuk Viacheslav - Shutterstock
Compartilhar

A riqueza das empresas depende da saúde de seus trabalhadores

O mundo do trabalho continua a evoluir em um ritmo acelerado, e apenas as empresas que podem ler e interpretar as necessidades da humanidade serão capazes de se adaptar e sobreviver. Este tópico, abordado pela Máshuman Foundation (“Fundação Mais Humanos”) durante sua conferência anual, será um dos temas mais fascinantes dos próximos anos.

É importante analisar alguns dados sobre o nível de estresse dos trabalhadores e suas consequências para que possamos entender as implicações na qualidade de vida das pessoas. O impacto econômico na sociedade e nas empresas também ficará bem claro:

– 60% dos dias de trabalho perdidos são devidos ao estresse relacionado ao trabalho e aos riscos psicossociais.

– As principais causas de estresse: insegurança no emprego (72%), carga de trabalho (66%) e assédio no local de trabalho (59%).

– Um de cada seis trabalhadores sofrerá problemas de saúde mental devido ao estresse em algum momento da carreira.

– 59% dos trabalhadores na Espanha sofrem de estresse relacionado ao trabalho.

– Na França, o custo do estresse no trabalho foi estimado entre 2 e 3 bilhões de euros em 2007.

– No Reino Unido, 9,8 milhões de dias úteis foram perdidos devido ao estresse no local de trabalho, e a média de dias de trabalho perdidos foi de de 22,6 dias por trabalhador durante 2009-2010.

Conforme explica a Dra. María Neira, diretora do Departamento de Saúde Pública e Meio Ambiente da Organização Mundial de Saúde: “A riqueza das empresas depende da saúde de seus trabalhadores”.

O que é uma empresa humana e saudável?

Uma empresa saudável é a que permite que cada um de seus funcionários dê o melhor de si mesmo em todos os sentidos, ajudando-o a crescer profissionalmente, bem como pessoalmente e como um membro da família; isso inclui saúde e cuidados pessoais. Uma empresa saudável vê e trata seus funcionários como pessoas completas, e está preocupada não só com seu bem-estar físico, mas também com sua saúde emocional.

“Para criar espaços de trabalho e ambientes saudáveis, é fundamental enfatizar uma liderança positiva e humana, colocando as pessoas no centro da organização” (Stephanie Zweifel, Diretora do Departamento de Empresas da Máshuman Foundation).

Qual é a contribuição do conceito de “Empresa Saudável”?

A questão da saúde e do bem-estar em uma empresa está vindo cada vez mais à tona, uma vez que contribui para o envelhecimento sustentável. Isso começa com a prevenção, trabalhando para favorecer a saúde e hábitos saudáveis. As empresas maiores, e quanto mais empregos criam, podem ter mais impacto. Nos países onde operam, eles podem assumir parte da responsabilidade por favorecer hábitos saudáveis ​​e cuidar da saúde física e emocional de seus trabalhadores e do meio ambiente.

Promover a saúde no local de trabalho tornou-se uma estratégia fundamental para aumentar a produtividade e obter uma vantagem competitiva.

Os principais benefícios derivados da implementação de programas de saúde para funcionários são:

– Redução dos dias de trabalho perdidos por doença ou absenteísmo;

– Aumento do compromisso dos funcionários com seu trabalho;

– Aumento da produtividade no trabalho devido ao orgulho de pertencer à empresa e maior felicidade dos trabalhadores;

– A atração e retenção de melhores talentos;

– O avanço de marcas socialmente responsáveis ​​e seus funcionários.

Saúde dos Trabalhadores: Plano de Ação Global (Organização Mundial de Saúde)

Em 2007, a Assembleia Mundial da Saúde deu seu apoio a um novo plano de ação mundial para a saúde dos trabalhadores. A Comissão Europeia, por sua vez, colocou em ação uma iniciativa para estabelecer uma Rede Europeia para a Promoção da Saúde no Local de Trabalho, e elaborou a Declaração de Luxemburgo. As empresas que assinam essa declaração comprometem-se a aceitar e implementar os objetivos básicos para promover a saúde no local de trabalho e orientar suas estratégias de acordo com os princípios relevantes.

Consequentemente, o conceito de “Empresas Saudáveis ​​e Humanas” está ganhando impulso no mundo dos negócios. Existe um compromisso consideravelmente maior com as pessoas e com a sociedade em geral. A visão da saúde no local de trabalho está se ampliando, buscando uma compreensão mais integral do conceito, incluindo não apenas o ambiente físico dos trabalhadores, mas também o ambiente psicossocial e emocional e os hábitos saudáveis ​​das pessoas em suas vidas profissionais e pessoais.

Para concluir, os programas de saúde devem ser incluídos no plano estratégico das empresas e devem ser apoiados e promovidos pela liderança corporativa. Esses programas devem ultrapassar os limites dos departamentos de prevenção de riscos e recursos humanos. O bem-estar das pessoas deve ser transversal em uma organização. Deve ser estrategicamente planejado com uma compreensão integral da pessoa humana em seus aspectos físicos e emocionais, no contexto do trabalho, bem como da vida pessoal, da vida familiar e da vida social. Nesta área, as empresas têm a oportunidade de oferecer à sociedade um benefício que vai além da contribuição específica própria do mercado (os bens e serviços que eles oferecem) e além do que é exigido deles por apenas cumprir com a legislação vigente.