Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

EUA avalia que Coreia do Norte está ‘na direção correta’

Capture Twitter
Compartilhar

As conversações entre Estados Unidos e Coreia do Norte sobre a “desnuclearização” estão avançando “na direção correta”, avaliou nesta terça-feira a porta-voz do departamento de Estado Heather Nauert.

Nauert disse que as discussões com Pyongyang se normalizaram após a cúpula do presidente Donald Trump com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, em junho passado, e as reuniões posteriores entre o secretário de Estado, Mike Pompeo, e outros altos oficiais de Pyongyang.

“Consideramos que as reuniões e negociações nos bastidores avançam na direção correta”, declarou Nauert em entrevista coletiva.

“As conversações com o governo da Coreia do Norte estão se tornando um assunto muito mais normal”.

Os comentários ocorrem após Coreia do Norte e Coreia do Sul anunciarem, na segunda-feira, que realizarão uma cúpula em Pyongyang em setembro.

Nauert não deu detalhes sobre onde as conversações ocorrerão ou que temas serão tratados, mas reafirmou a visão dos Estados Unidos sobre a disposição de Kim em realizar a “desnuclearização”, o principal objetivo da administração Trump nas discussões.

A porta-voz também destacou a recente repatriação dos restos mortais de soldados americanos caídos na Guerra da Coreia, no início da década de 1950.

“Este é certamente um passo na direção correta”.

“Seguimos mantendo estas conversações porque o presidente Kim se comprometeu com o presidente Trump com a ‘desnuclearização’. Continuaremos com este esforço de boa fé para que estas conversações prossigam”.

(AFP)