Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 04 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconAtualidade
line break icon

Países europeus chegam a acordo para distribuir migrantes do ‘Aquarius’

© Patric Bar / SOS Méditerranée France

SOS Méditerranée vient au secours des réfugiés à bord de l'Aquarius © Patrick Bar / SOS Méditerranée France

Agências de Notícias - publicado em 14/08/18 - atualizado em 14/08/18

Malta deu sinal verde, nesta terça-feira (14), para que o navio “Aquarius” possa atracar com seus 141 migrantes, após um acordo para que o grupo seja distribuído entre vários países europeus.

“Malta dará ao ‘Aquarius’ sua permissão para entrar em seus portos, ainda que não tenha a obrigação legal de fazê-lo. Todas as 141 pessoas a bordo serão divididas entre França, Alemanha, Luxemburgo, Portugal e Espanha”, anunciou o primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, no Twitter.

O navio humanitário “Aquarius” buscava nesta terça um porto seguro para desembarcar 141 migrantes resgatados no Mediterrâneo na última sexta. A embarcação retomou as operações de auxílio na costa da Líbia na semana passada.

Assim como aconteceu em junho, porém, quando o “Aquarius” passou uma semana à procura de um país que permitisse sua entrada, em um primeiro momento, Malta e Itália – os países mais próximos da embarcação de resgate – fecharam seus portos.

Hoje, o governo de Portugal também se ofereceu para receber parte dos migrantes.

Em nota, o governo português disse estar disponível para receber 30 dos 244 migrantes a bordo do “Aquarius” e de outras embarcações atualmente em Malta.

Comunicada à Comissão Europeia, a decisão foi tomada em contato estreito com os governos francês e espanhol, acrescentou Portugal.

Já a Espanha se ofereceu para acolher 60 dos 141 migrantes, anunciou no Twitter o presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, que classificou o acordo alcançado de “pioneiro”. Há dois meses, o país recebeu no porto de Valencia 630 migrantes socorridos por este mesmo barco.

Inicialmente, porém, as autoridades espanholas chegaram a descartar receber o navio mais uma vez, estimando que a Espanha “não é o porto mais próximo e, portanto, não é o mais seguro para desembarcar”, haviam dito fontes do governo à AFP.

Até o momento, nem França, nem Alemanha, nem Luxemburgo anunciaram quantos migrantes vão receber em seu território.

O presidente francês, Emmanuel Macron, limitou-se a aplaudir a “cooperação europeia concreta” em uma mensagem no Twitter e garantiu que a França dará sua “total solidariedade”.

A presidente da ONG SOS Méditerranée, Sophie Beau, pediu a “todos os países europeus que assumam suas responsabilidades para encontrar um porto seguro no Mediterrâneo”.

“A atual situação está em total contradição com o Direito Marítimo Internacional”, denunciou.

Para complicar ainda mais o quadro, o governo de Gibraltar anunciou na segunda-feira que vai retirar sua bandeira do “Aquarius”, depois de ter pedido que o navio suspenda suas atividades de resgate.

A embarcação não estaria registrada no território britânico para essas tarefas, uma decisão que, de acordo com a SOS Méditerranée, “não tem qualquer fundamento técnico”.

O caso do “Aquarius” provocou uma crise diplomática em junho na Europa sobre a questão migratória.

A Itália, que por vários anos solicitou a ajuda da União Europeia para atender às chegadas de migrantes, agora é governada por uma coalizão de extrema direita que se recusa a receber os navios das ONGs que navegam no Mediterrâneo para socorrer migrantes à deriva.

– Migrantes esgotados

Mais da metade do grupo é de menores de idade, com a maioria viajando desacompanhada, e um terço, de mulheres, procedentes em sua maioria da Somália e da Eritreia.

“Uma pessoa em cada quatro tem entre 13 e 15 anos, viaja sozinha e vem da Eritreia, ou da Somália”, disse à AFP o coordenador da MSF, Aloys Vimard, que está a bordo.

Sem um verdadeiro Estado central desde a queda de Siad Barre em 1991, a Somália se encontra mergulhada no caos e na violência. Em outubro de 2017, viveu o pior atentado de sua história, que deixou cerca de 500 mortos.

A Eritreia, onde o serviço militar para os jovens – de duração ilimitada – se assemelha ao trabalho forçado, é considerado um dos países mais repressivos do mundo.

A situação a bordo é “estável”, sem “urgências médicas”, mas “as pessoas estão esgotadas, por conta da viagem e de sua estadia na Líbia”, relatou Vimard.

Fundada há dois anos, a SOS Méditerranée diz ter resgatado mais de 29.000 migrantes no mar.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia