Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Príncipe William: o que devemos deixar de lado para realmente ajudar os outros

PRINCE WILLIAM
Compartilhar

Os dons de caridade da Família Real oferecem aos pais algumas ótimas lições para ensinar aos seus filhos

Quando o príncipe William se dirigiu à Comissão de Caridade em Janeiro deste ano, ele demonstrou não só sua admiração pelo trabalho de caridade, mas também o papel crucial que sua família teve para incutir nele e no seu irmão, o Príncipe Harry, “um hábito vitalício de colocar a caridade no coração das nossas vidas” – algo que podemos transmitir aos nossos próprios filhos, mesmo que não tenhamos um título, uma coroa ou mesmo uma conta bancária saudável.

“A caridade não é um complemento opcional na sociedade… acima de tudo, as instituições de caridade cultivam, reparam, constroem e sustentam nossa sociedade”, disse ele. “Sem o trabalho que as instituições de caridade fazem, a sociedade seria uma concha vazia”.

Na verdade, a família real moderna é uma inspiração para nossos próprios esforços de caridade. A princesa Diana frequentemente visitava os sem-teto e os doentes e levava os jovens príncipes William e Harry junto com ela. William lembra sua mãe explicando “por que as pessoas que conheci lá são importantes; por que nenhuma sociedade pode ser saudável a menos que cuidemos das outras pessoas”.

O príncipe também descreveu o forte envolvimento de seu pai no trabalho de caridade. Longe do olhar do público, o príncipe Charles passou muitas noites “respondendo a milhares de cartas e lendo relatórios intermináveis ​​para se manter no topo de sua ambição de fazer tudo o que podia para ajudar os mais desfavorecidos”. E não esqueçamos a rainha Elizabeth e o Príncipe Philip, que estão empenhados em centenas de causas caritativas.

O discurso de William convocou o público a se envolver em causas de caridade, de qualquer forma que pudermos, como participando de divertidas corridas, ajudando nas cozinhas… Há muitas instituições de caridade lá fora hoje, servindo diferentes grupos de pessoas – muitos dos assuntos de opinião e divisão nas mídias sociais, muitas vezes sem os fatos objetivos, disse ele. Isso, às vezes, pode prejudicar ações em favor de certos grupos de pessoas marginalizadas.

Então, William tem uma ideia. Junto com sua esposa e com seu irmão, a jovem geração da realeza quer incentivar as pessoas a “colocar seus próprios interesses de lado” e “explorar maneiras de combinar forças, trabalhar e inovar juntas”.

Um exemplo disso é a própria fundação de caridade Head Together, que reúne vários recursos para pessoas com problemas de saúde mental, incluindo veteranos, jovens e sem-teto.

Formas de trazer a caridade

Ser solidário não implica apenas doar dinheiro para diferentes causas. Se você não tem fundos para oferecer aos que precisam, então há várias formas da caridade se tornar parte de sua vida cotidiana:

  1. Primeiro, ensine seus filhos a importância da caridade. Você pode levá-los a casas de idosos para passar um tempo com os idosos, ou levá-los aos hospitais para ler para crianças doentes. Ou, mais simples, se você tem um vizinho que é sozinho, envolva seus filhos para ajudá-lo a fazer tarefas domésticas. Embora as ações muitas vezes falem mais alto do que as palavras, aproveite o tempo para explicar aos seus filhos o que você está fazendo e por quê.
  2. Faça com que seus filhos separem seus brinquedos e roupas com você. Ajude-os a decidir o que fazer com eles, para quem os itens podem ser doados. Isto é particularmente significativo para as crianças em momentos de celebração, como o Natal e os aniversários, sabendo que outros terão pouco para comemorar.
  3. Participe de eventos locais de caridade quando puder. Muitas vezes nos envolvemos com instituições de caridade que são próximas de nossos corações – aqueles que foram afetados pelo câncer estão naturalmente inclinados a apoiar causas de câncer. Mas, como se envolver com uma instituição de caridade que está arrecadando fundos por uma causa que você conhece pouco? É sempre bom aprender sobre aqueles que sofrem de maneira que não podemos imaginar.
  4. Todos nós sabemos como o tempo é precioso, então, desistir de uma preciosa manhã de sábado para oferecer suas habilidades na contabilidade ou na organização é uma grande questão. No entanto, as instituições de caridade muitas vezes precisam de ajuda com as funções de suporte, de preferência não remuneradas, então, se você tiver algumas horas para oferecer às instituições de caridade e igrejas locais, você pode ser muito útil.
  5. Lembre-se de agradecer– nem sempre é fácil, especialmente quando tudo parece desanimador. No entanto, se pensarmos que há sempre alguém pior do que nós, isso ajuda a colocar a vida em perspectiva. É nosso dever incutir nos nossos filhos um sentimento de gratidão e empatia, para que possam realmente aprender que há outros que precisam de nossa ajuda.