Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

8 motivos pelos quais é preciso buscar o sentido da vida

SENSE
Compartilhar

Segundo o filósofo e teólogo espanhol Francesc Torralba, “a fé é um antídoto ao vazio existencial”

“Não quero convencer ninguém, não me proponho a articular uma apologética; simplesmente desejo expressar, na primeira pessoa do singular, as razões que me levam a crer em Deus, a viver confiando nele”. 

As palavras são de Francesc Torralba, um dos pensadores mais notáveis do cenário filosófico espanhol, que, desde 2011, é consultor do Pontifício Conselho para a Cultura. 

No livro “Y a pesar de todo, creer” (“Crer, apesar de tudo”), lançado recentemente no mercado espanhol, Torralba expõe as razões pelas quais, segundo ele, devemos buscar sempre o sentido da vida. São estes os motivos:  

1. Todo ser humano, por natureza, deseja viver uma vida com sentido. 

A “vontade de sentido”, bela expressão de Viktor Frankl, é própria e comum à condição humana. Para nós não basta vivermos, passarmos os dias e nos entretermos com milhares de disputas e fofocas; queremos viver uma vida que faça sentido, que valha a pena, que tenha valor em si mesma. 

2. Não existe uma resposta científica à busca pelo sentido 

A Ciência explora os fatos, tenta compreender a lógica que os une e explicá-los através de leis de caráter universal. A Ciência não analisa valores. Estes são objetos de estudo da Filosofia prática, especialmente a Ética.  

3. A busca pelo sentido não é uma tarefa fácil; o que está em jogo é a felicidade da pessoa. 

Quando o ser humano constata que a sua vida tem valor, que possui sentido, ele se sente feliz. Isso não o exime do cansaço e da indignação, mas o faz sentir que sua tarefa é útil e que, através dela, constrói o bem.  No entanto, quando percebe que a vida é vazia, quando sente que nada do que diz ou faz possui valor, ele vive uma vida entediante, irrelevante, completamente estéril. Neste caso, ele sofre o que Viktor Frankl chamou de “vazio existencial”. 

4. A necessidade de sentido é uma necessidade espiritual. 

A busca pelo sentido é própria de um ser complexo, de um ser que não tem o suficiente para se alimentar, se defender e procriar. Ele está sempre se perguntando por que está no mundo e como deve administrar o tempo escasso que possui entre o nascimento e a morte. 

5. A fé é um antídoto ao vazio existencial, mas não é só isso. 

Muitas pessoas que vivem sem Deus percebem que a vida tem sentido, pois elas constroem algo nobre e valioso, útil para os outros – e isso lhes basta. O discurso sobre o sentido, então, não é unívoco. Existe uma pluralidade de modos de dotar a vida de sentido. 

6. O que realmente dá sentido à vida é o amor. 

Uma vida sem amor carece de sentido. O ser humano é feito para amar; esta é sua finalidade inerente. Só o amor pode dar sentido à vida – e é preciso saber dar e receber amor. 

7. A vida é um dom, algo que não nos pertence. 

Todo ser humano é chamado a decidir o que vai fazer com sua vida, ou seja, como vai dotá-la de significado. O sentido da vida não está nos livros; isso se aprende com a experiência, os erros, ou seja: vivendo. 

A fé em Deus não nos separa do mundo nem nos afasta de nossos afazeres concretos. Crer em Deus é viver a vida como um dom, que deve ser protegido e cuidado. Todas as formas de vida são valiosas.  

8. A fé nos faz respeitar a natureza.

A fé nos faz reconhecer na natureza uma gramática escrita por Deus, uma morada que ele nos confiou. Por isso, devemos cultivá-la e protegê-la. 

Enfim, para Torralba, as atitudes abaixo são o que realmente conferem sentido à vida: 

  1. ser útil aos outros;
  2. amenizar o sofrimento;
  3. construir a beleza;
  4. construir unidade onde houver dispersão;
  5. oferecer aos outros a possibilidade de viver a aventura da existência.