Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Podemos brincar de lutinha com nossos filhos e filhas?

Por Dean Drobot/Shutterstock
Compartilhar

Um tema polêmico, mas que pode se transformar numa excelente oportunidade de educar seus pequenos

O Padawan (meu filho) fica esperando chegar o fim de semana para que possamos brincar de lutinha. Confesso que não sei como começou essa nossa brincadeira. Pode ter sido por uma memória afetiva que eu tenho do meu pai ou uma vontade própria do Padawan em testar o que aprende no Karatê.

Só sei que é divertido e é um momento que posso mostrar não só limites ao meu filho, como também ajudo a controlar sua agressividade e a lidar com a frustração.

Tenha ciência que a molecada briga com os amiguinhos e por qualquer razão. Crianças de 7, 8 anos não sabem lidar com sentimentos conflitantes. E aí os instintos falam mais alto e pontapés, socos e empurrões acabam ocorrendo.

Padawan-Karate-Olimpiadas

Em uma lutinha é preciso sempre ter regras. É necessário explicar o que não se deve fazer para ninguém sair machucado e quando é hora de parar. Essas regras os Padawans irão levar para fora de casa e aplicá-las em várias situações.

O truque é não deixar o seu Padawan ganhar SEMPRE de você. Ao se frustrar, ele pode partir para uma pegada mais agressiva e é nessa hora que devemos parar, conversar e explicar o que pode e não pode fazer.

Fora que se ele ganhar sempre irá ter a falsa sensação de invencibilidade e isso é um grande perigo!

Padawan Karate

Ao brincar de lutinha conseguimos controlar a agressividade dos Padawans, que nasce com a frustração. A personalidade e o comportamento de todos são construídos não só pela genética, como também pela o ambiente que os cercam.

Mostrar que a frustração é normal e que não precisa ser violento por causa disso certamente irá transformar seu filho em uma pessoa melhor. E também irá criar uma bela memória afetiva do pai.

Outra coisa é que não podemos negar a lutinha. Se fizermos isso nossos filhos poderão procurá-la fora de casa e aí não teremos controle do que pode ocorrer. Ou seja, não irá ter regras e vence quem chorar primeiro.

Então fica a dica. Brinque de lutinha com seu filho – sem apenas, ok? – e se divirtam.

(via Nerd Pai)