Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Experimente este truque de gerenciamento de raiva da próxima vez que alguém te deixar louco

NATURE
Unsplash - CC0
Compartilhar

Quanto mais você praticar isso, mais feliz e mais calmo você será

Raiva. Possivelmente a emoção mais confusa que existe. Pode silenciar completamente nossa voz racional, e é inevitável. Quer se trate de uma briga com um membro da família ou uma frustração pelo estado do mundo, todos nós temos que lidar com a raiva em algum momento.

Como cristãos, podemos ser tentados simplesmente a reprimir nossa raiva por medo de cometer um pecado. No entanto, de acordo com a ciência, isso pode ser perigoso e, na verdade, existe uma maneira mais eficaz e livre de culpa de como lidar com isso.

Se reprimir a raiva é suficiente, por que é perigoso? Bem, um dos principais problemas em reprimir qualquer emoção é que isso fortalece a emoção. Isso causa hiperatividade na amígdala, uma parte do cérebro fortemente associada às emoções, e esse estresse diminui nossa capacidade de experimentar emoções positivas… mas não negativas. Embora a nossa capacidade de sentir coisas como raiva, estresse e depressão continue forte, nossa capacidade de sentir emoções positivas como alegria, prazer e paz é enfraquecida lentamente.

Mas reprimir emoções não é apenas ruim para você; é ruim para a pessoa de quem você sente raiva também. Os estudos mostram que reprimir sua própria raiva pode realmente aumentar o estresse experimentado pela pessoa que você está com raiva. Isso leva a problemas de relacionamento.

De acordo com o Handbook of Emotion Regulation, uma publicação acadêmica de teoria e pesquisa sobre expressar e reprimir emoções, “indivíduos que tipicamente usam a repressão relatam que evitam relacionamentos íntimos e têm relações menos positivas com os outros; isso se encaixa com os relatórios dos indivíduos que reprimem suas emoções, que dizem que têm relações com outros que estão menos emocionalmente próximos”.

Então devemos desabafar nossas emoções, certo? Não é bem assim. Estudos mostram que ventilar a raiva causa aumento na emoção, ao invés da sua resolução.

Qual é a resposta? Reavaliação.

A reavaliação é um método de distração que reavalia a situação considerando que você não possui toda a informação. “Você não fica frustrado por causa dos acontecimentos; você fica frustrado por suas crenças”, disse o notável psicólogo e pesquisador de Columbia Albert Ellis. Quando você está no meio de uma discussão, é fácil assumir que a situação é sobre você, mas desafiar essa crença pode facilitar o surgimento da sua raiva.

Por exemplo, se alguém perder o controle com você, você pode escolher levar para o lado pessoal ou você pode optar por considerar que a outra pessoa está tendo um dia ruim, ou apenas recebeu notícias terríveis, ou está lidando com o estresse. Ao “reavaliar” a situação, nosso cérebro é distraído, concentrando-se em um caminho para a compaixão e não na própria raiva. Quando fazemos isso, nossa amígdala se acalma e diminui a atividade.

Lembra-se do dano que a repressão causa ao cérebro? Bem, a reavaliação faz o contrário! Este método aumenta nossa capacidade de sentir emoções positivas e diminui nossa experiência de emoções negativas, como raiva e irritabilidade. Isso significa que quanto mais frequentemente nós praticarmos isso, mais felizes e mais tranquilos seremos em geral.

Então, a próxima vez que você ficar bravo ou sobrecarregado, tente reavaliar!