Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 14 Abril |
São Telmo
home iconCuriosidades
line break icon

O que os filósofos podem nos ensinar sobre Deus e religião?

JESUS CHRIST TEACHING IN THE TEMPLE

By Renata Sedmakova | Shutterstock

Nikola Krestonosich - publicado em 21/08/18

A palavra “deus” tem sido usada para se referir a diferentes coisas

Seja qual for o assunto em que os filósofos se detiveram, independentemente das alegações que apresentaram sobre esses assuntos (e acredite em mim, eles apresentaram muitas afirmações sobre muitas coisas) a primeira coisa que alguém tem que fazer para passar como um filósofo respeitável é dominar uma terminologia específica.

O filósofo é, em primeiro lugar, um conhecedor de uma determinada terminologia composta de palavras de origem grega como “ideia”, “metafísica” ou “ética”, e de origem latina como “valor”, “moral” e “tolerância”. Pode-se dizer que o vocabulário filosófico padrão é, para citar Paul Oskar Kristeller, o sedimento de mais de dois mil anos de pensamento.

“Deus” é um desses termos que podemos encontrar nos escritos dos filósofos desde o início; uma daquelas palavras com as quais sua disciplina exige deles que se torne familiar e que ganhe maestria.

Mas como aconteceu com toda a terminologia filosófica, a palavra foi usada para se referir a diferentes coisas.

Houve politeístas, teístas, panteístas e filósofos ateus, e para cada um deles, a palavra “deus” significou coisas diferentes.

O que, por exemplo, Platão e Aristóteles quiseram dizer com esta palavra (ou, mais corretamente, por seu equivalente grego) é algo diferente do que Santo Agostinho ou Santo Tomás de Aquino pensavam sobre ela (ou, mais corretamente, por seu equivalente latino).

Mas os filósofos podem nos ensinar algo sobre Deus e religião? Existe uma noção central sobre o ser divino que poderia ser descoberta no fundamento de todas as suas discussões sobre Deus?

Sem medo de errar, pode-se argumentar que não existe um fio único, nenhum corpus doutrinal coerente que junte todos os pensamentos dos filósofos sobre “deus” e que, na verdade, seria infrutífero, do ponto de vista hermenêutico, para tentar forçar uma única visão sobre esse assunto em seus escritos.

É talvez por aborrecimento com este estado de coisas que a muitos dos homens religiosos, para quem Deus não é um conceito, mas uma realidade concreta e operacional, sentiram os filósofos como inimigos da religião. Talvez esse sentimento de aborrecimento que tenha desencadeado  as palavras de Paulo:

“Pois está escrito: ‘Destruirei a sabedoria dos sábios e rejeitarei a inteligência dos inteligentes’. Onde está o sábio? Onde está o doutor da Lei? Onde está o que investiga as coisas deste mundo? Por acaso Deus não mostrou que a sabedoria deste mundo é loucura?… Pois a loucura de Deus é mais sábia que os homens, e a fraqueza de Deus é mais forte que os homens. De fato, considerem este chamado de vocês: Não há entre vocês nem muitos sábios segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos da alta sociedade. Deus, no entanto, escolheu o que é loucura no mundo para desacreditar os sábios” (1Cor 1,19-27).

Mas, talvez, estamos olhando o assunto do ângulo errado. Não é no conteúdo religioso da filosofia, no que os filósofos realmente disseram a respeito de Deus e da religião, onde devemos nos concentrar. Lá, é claro, só podemos encontrar uma falta de consenso sem fim. Talvez, o que devemos olhar e focar seja a maneira como os filósofos lidaram com essa falta de consenso. Como Odo Marquard disse uma vez:

“Portanto, o consenso não é sempre necessário; o que é muito mais valioso é um mal entendido produtivo; e o mais valioso de todos é uma razão simples: o abandono do esforço para permanecer estúpido… O antigo vício do filósofo, como profissão – seu déficit crônico de consenso – acaba por ser uma virtude interdisciplinar ultramoderna: acima de tudo, uma proficiência em sobreviver da confusão conversacional sem desânimo” (In Defense of the Accidental).

Esta virtude de permanecer calmo sob a incerteza, de sobreviver da confusão sem desânimo é, podemos ter certeza disso, de valor religioso eterno.

Tags:
DeusFilosofiaReligião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
PRINCE PHILIP
Cerith Gardiner
11 fatos interessantes sobre o falecido príncipe Philip
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
DIVINE MERCY
Reportagem local
Como obter indulgência plenária no Domingo da Divina Misericórdia...
4
LOVE AND MERCY FILM
Aleteia Brasil
O filme sobre Santa Faustina e a Divina Misericórdia já está disp...
5
Pe. Gabriel Vila Verde
Reportagem local
Ditadores proibiram missas ao longo da história, recorda pe. Gabr...
6
Jim Caviezel
J-P Mauro
Jim Caviezel fez o que pode ser considerado um dos maiores discur...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia