Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Padre Amorth: documentário com cenas reais de exorcismo na Netflix

Reprodução/Youtube
Compartilhar

Foi a primeira vez que o Padre Amorth permitiu ser filmado em alta qualidade pelo mesmo diretor de "O exorcista" - confira o trailer

Já está disponível em Netflix o documentário “The Devil and Father Amorth” (O diabo e o Padre Amorth), que conta a história do nono exorcismo realizado em uma mulher pelo falecido e reconhecido exorcista italiano Gabriele Amorth.

O documentário dura 68 minutos e pode ser assitido em inglês com legendas em português.

‘Catholic Imagery’ publicou um pequeno trecho do documentário em sua conta no Instagram para encorajar todos os usuários a vê-lo e para conscientizar sobre as ações do diabo através das possessões.

ADVERTÊNCIA: O VÍDEO PODE FERIR A SENSIBILIDADE DO LEITOR

“O diabo e o Padre Amorth” foi dirigido por William Friedkin, conhecido por ter dirigido o famoso filme “O Exorcista”, em 1973.

A distribuidora ‘The Orchard Movies’ apresentou o documentário como “uma viagem”, na qual o diretor William Friedkin “segue os passos do exorcista de Georgetown à Itália” para acompanhá-lo em “um dos seus momentos mais angustiantes”.

O documentário conta a história de Cristina, uma mulher italiana que depois de passar por uma depressão começou a se comportar de forma estranha durante as festas religiosas e se tornou incapaz de realizar qualquer tipo de trabalho.

Ao não encontrar uma solução médica, um psiquiatra aconselhou que fosse atendida por Pe. Amorth, que lhe realizou nove exorcismos durante nove meses.

Em sua conta no Twitter, o diretor expressou sua “profunda gratidão a todos os que já viram ‘O diabo e o Padre Amorth’ em Netflix” e que escreveram para ele “da Itália, da Espanha e de todo o mundo”.

Friedkin também compartilhou um tuíte de uma usuária identificada como Terese Little, que se declara católica e escreveu:

“Finalmente vi ‘The Devil and Father Amorth’. Ao assistir pela primeira vez, eu estava cética, mas agradeço que tenha mostrado este tema de maneira cordial e honesta. Rezo para que isto ilumine as pessoas a uma verdadeira luta sobrenatural”.

Em um comunicado divulgado em setembro de 2017 – quando o documentário foi apresentado no Festival de Cinema de Veneza – Friedkin assegurou que nunca deixou de fasciná-lo “a natureza do bem e do mal e a possibilidade de possessão demoníaca. A oportunidade de presenciar um verdadeiro exorcismo e filmá-lo veio quatro décadas depois de rodar ‘O Exorcista’ e completamente por acaso”.

De acordo com o crítico de cinema Robbie Collin, este documentário “é um epílogo que não é ficção, que não deixa de ser devastador e raro”, no qual “o demônio é quase um narrador: gritos repetidos de ‘Sou Satanás’, ‘Somos legião’, ‘Não, não, não!’, é mais ou menos o que nos mostra”.

Collin destacou que nem Friedkin nem o escritor do filme, William Peter Blatty, tinham presenciado um exorcismo de verdade.

Pe. Amorth, falecido em 16 de setembro de 2016, começou o seu trabalho de exorcista em 1985 e realizou dezenas de milhares de exorcismos. Ele fundou a Associação Internacional de Exorcistas em 1990 e foi seu presidente até que se aposentou aos 75 anos, em 2000.

Trailer original em inglês:

 

(via ACIdigital)