Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Argentina: 3 templos católicos profanados com pichações abortistas

Compartilhar

A enésima demonstração da "tolerância" e do "respeito" daqueles que pregam o livre extermínio de bebês

Duas semanas após a reprovação da lei do aborto pelo Senado argentino, duas paróquias e um santuário católico de Buenos Aires foram profanados com pichações abortistas nesta segunda, 20 de agosto.

Paróquia Santa Maria de Betânia

Uma imagem de Nossa Senhora foi manchada de tinta vermelha. Ao redor havia cartazes com afirmações abortistas e anticatólicas como “As garotas mortas não voltam mais, vocês são responsáveis” – como se a Igreja ou qualquer defensor da vida humana estivesse assassinando alguém por impedir justamente o extermínio de inocentes…

O vigário, pe. Salvador Gómez, que chegou a pensar que as manchas fossem de sangue, contou ao site local Todo Noticias:

“A primeira coisa que me veio à mente foram as palavras de São Francisco: ‘Senhor, fazei de mim um instrumento da vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o perdão’. Não conseguia pensar em outra coisa”.

Paróquia Nossa Senhora das Dores

Sofreu ataques quase idênticos, aos quais o bispo de Gualeguaychú, dom Hector Zordán, respondeu:

“Continuamos apostando na possibilidade de conviver em paz nesta terra abençoada, apesar de pensarmos diferente”.

Santuário Jesus Sacramentado

Também sofreu pichações acompanhadas por cartazes com frases como “Igreja e Estado, assunto separado“.

Aliás, esta é uma das falácias mais recorrentes no repertório de gratuidades descabidas da militância abortista: tentar passar a ideia de que, pela laicidade do Estado, os católicos não teriam direito a qualquer manifestação de pensamento.

Os padres do santuário declararam:

“Queremos dizer às pessoas que nos agridem que não poderão mudar o rumo do nosso trabalho, que é o anúncio do Evangelho, a boa notícia de Jesus. Somos pessoas honestas, não somos perfeitos; através do nosso trabalho, tentamos fazer da Igreja um lugar de esperança e de dignidade. Não cobramos nada do Estado e trabalhamos com todas as nossas forças para que a vida das nossas crianças, jovens, idosos e especialmente dos mais pobres seja melhor.

Somos milhares de pessoas envolvidas nesta missão. Quando você vier à noite e de rosto escondido para pichar e ofender, vai encontrar em nós a barreira intransponível do bem que vence o mal; também vai encontrar o perdão e uma força que ninguém poderá tirar de nós, que é a alegria de seguir Jesus.

Podemos oferecer a você o melhor de nós, que é o nosso pão, o nosso canto e o nosso abraço, porque, apesar de tudo, somos irmãos. Continuaremos caminhando mesmo assim… E sempre com a esperança intacta de compartilhar um bom diálogo”.