Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 19 Abril |
São Leão IX
home iconEstilo de vida
line break icon

Menino de 5 anos inventa feriado e fomenta boa discussão sobre as “mentirinhas”

Geovana Santos / Arquivo Pessoal (Reprodução)

Francisco Vêneto - publicado em 24/08/18

"Amanhã não vai ter aula porque pode ser feriado", dizia o criativo recado, que ainda acrescentava: "É verdade esse 'bilete'"

Tem feito sucesso nas redes sociais a criativa travessura do menino Gabriel Lucca, de 5 anos, que vive com a família na cidade paulista de Bocaina. Num “plano ousado” para não ir à escola e assim assistir em casa a uma série de televisão, ele escreveu para a mãe este inusitado bilhete:

“Senhores paes [pais]:

Amanhã não vai ter aula porque pode ser feriado

Assinado: Tia Paulinha”

E, por via das dúvidas, ele ainda tomou a estratégica precaução de acrescentar um relevante post scriptum:

“É verdade esse bilete [sic]”

Uma inesperada repercussão

Tanto a mãe, Geovana Santos, quanto a professora, Paula Renata Robardelli, a “Tia Paulinha”, compartilharam o episódio nas redes sociais e falaram da criatividade, inteligência e humor do pequeno, que, aliás, admite rapidamente quando inventa brincadeiras desse mesmo tipo. Gabriel aprendeu a escrever aos 4 anos e costuma enviar cartinhas e bilhetes a familiares e amigos, além de ler para eles.

As travessuras fazem parte da infância e do processo de desenvolvimento de todos. No entanto, quando elas envolvem o que se costuma chamar de “mentirinhas”, dividem-se as opiniões dos adultos: há quem não veja nisto nada de preocupante, principalmente quando a própria criança reconhece entre risos que estava brincando, e há quem vislumbre a necessidade de aumentar a atenção. Os comentários de internautas nos vários sites que repercutiram o caso deixam clara essa diversidade de pontos de vista.

Acontece que nem é coisa que deva causar alarme, nem é coisa que se deva deixar passar totalmente em branco. A reação adequada de pais e professores aos milhões de casos semelhantes que acontecem no dia-a-dia requer bom senso e atenção – não só à criança, mas, principalmente, às atitudes deles próprios: dos adultos.

O pequeno Gabriel nos oferece, com a sua brincadeira de criança alegre, uma boa oportunidade de reflexão e discussão: qual é o limite entre a imaginação e a mentira, e, no campo desta, qual é o limite entre a mentira supostamente “inofensiva” e a maliciosa?

Imaginação versus mentira

As crianças tendem a misturar o real e o imaginário até por volta dos 6 anos – algumas até um pouco antes, outras até um pouco depois. Um dos aspectos que mais precisamos compreender sobre a lógica do pensamento infantil é a diferença entre essa imaginação natural para a idade e o conceito de mentira propriamente dito.

Mentir é declarar, de modo consciente e consentido, algo que é diferente da realidade objetiva, escondendo ou alterando voluntariamente um fato a fim de, com isto, obter algum benefício – seja para si mesmo, seja para outra pessoa. A intenção, muitas vezes, pode até ser boa, mas não elimina o fato de que se está forjando algo falso no qual se quer que outros acreditem: ou seja, por mais que a intenção pareça válida, alguém será enganado, o que é objetivamente mau.

As crianças, por volta de 3 anos, começam a criar histórias fantasiosas que, nessa fase, as ajudam justamente a construir o seu senso de realidade. Elas ainda não sabem identificar claramente o que é ficção e o que é real: vão começar a descobrir pela experiência. Fantasiar é também um meio importante para a criança vivenciar sentimentos que ela ainda está estruturando.

A partir da idade escolar, porém, que costuma ser por volta dos 6 anos de idade, a visão de realidade está mais desenvolvida e a criança tem mais capacidade para distinguir entre verdade e fantasia – e também para entender que certas “historinhas” inventadas podem lhe trazer benefícios: o caso mais comum é o de tentar se livrar da “autoria” de alguma bagunça. “Não fui eu, foi o gato“, por exemplo, é um clássico.

Em casos como este, já podemos considerar que a criança está, sim, mentindo e não apenas fantasiando.

Mentira “inofensiva” versus mentira maliciosa

E aqui entra o próximo limite a se distinguir: aquele entre a mentira supostamente “inofensiva” e a mentira maliciosa. Mas, antes ainda, é preciso distinguir algo mais básico: o porquê dessa mentira no caso de uma criança.

Pais e professores precisam avaliar em primeiro lugar, com honestidade, a rotina da família e das pessoas com as quais a criança convive. Se a criança está achando que mentir é a melhor alternativa em dado contexto, é porque alguma coisa no ambiente ao seu redor a está levando a pensar assim: talvez o medo de algum castigo, ou até o receio de magoar os pais. Em qualquer caso, o que está na causa da mentira é o fato de que a criança não está recebendo sinais suficientes dos adultos mais próximos de que ela pode confiar neles e lhes contar a verdade em qualquer circunstância.

É por isso que as “mentirinhas” da criança nessa idade não precisam “alarmar” os pais e professores no sentido de acharem que a criança tem algum “desvio de caráter”. Calma: geralmente, as “mentirinhas” das crianças são mais um reflexo de alguma(s) postura(s) dos adultos do seu convívio do que de alguma “inclinação moral” delas próprias: não são, em sua grande maioria, mentiras maliciosas.

No entanto, uma coisa é não fazer alarde com base em interpretações precipitadas e outra coisa é não dar a mínima importância a essas “mentirinhas”: é preciso, sim, dar importância a elas, mas na medida adequada, sem exageros, por um lado, nem minimizações, por outro. Como?

Todo mundo já sabe, na teoria, como educar uma criança: com diálogo e, muito mais eficazmente, com o exemplo. Melhor ainda: com diálogo e exemplo juntos.

O desafio de evitar o exemplo da “mentirinha”

As crianças são muito mais imitadoras do que entendedoras, e, por isso mesmo, acabam entendendo melhor quando aprendem algo mediante a reprodução prática do bom exemplo dos adultos.

E na prática, como é que se faz isso no caso das “mentirinhas”?

Aqui vai um texto concreto sobre como os adultos podem ir eliminando as pequenas mentiras do seu cotidiano, de modo a testemunharem melhores exemplos para as crianças e, tão importante quanto, a fim de elevarem notavelmente o nível de paz e serenidade da própria vida.

Tags:
CriançasEducaçãoexemplomentira
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
4
BENEDICT XVI
Reportagem local
Em nova e extensa biografia, Bento XVI desmascara o atual “...
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
7
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia