Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que a Igreja Católica tem o costume de fazer vigílias?

Thoom/Shutterstock
Compartilhar

A vigília pode preparar os fiéis para algo que eles sabem que vai acontecer; ninguém vigia na dúvida

Os Jovens de Maria conversaram com o Pe. Camilo Junior, que explicou tudo sobre vigílias.

A palavra “vigília” vem de “vigiar” e se diz sobre aquele que está vigilante.

Quando Jesus viveu o momento de sua entrega, Ele foi para uma vigília de oração lá no Horto das Oliveiras. E a fala dele aos discípulos foi:

“Vigiai e orai comigo para não cairdes em tentação” (Mt 26, 41).

Qual é a maior tentação que o ser humano pode ter? É a de, justamente no momento em que a fé pede a entrega da vida, abandonarmos Jesus. Essa é a tentação que Ele queria que os discípulos superassem.

Então, o vigiar com Jesus é para não termos a tentação de abandoná-lo, de deixar sua mensagem de lado, a radicalidade que seu amor pede. Assim, a Igreja Católica vive as chamadas “vigílias”, para estarmos sempre atentos ao que Cristo vai pedir de cada discípulo.

Por isso, diante de todas as festas solenes existe uma Vigília Litúrgica, pois, para que eu possa acolher aquilo que vem, meu coração precisa estar preparado. Senão, o dom se aproxima, eu não o reconheço e posso tratar o que é precioso como uma bijuteria.

A vigília também sempre vai me preparar para algo que eu tenho certeza de que vai acontecer. Isso porque ninguém vigia na dúvida.

Quando chegou o momento do Calvário, por exemplo, pouquíssimos olharam para Jesus. Como Ele queria que o olhar dos discípulos estivesse permanecido até o fim! Mas só João ficou, o resto sumiu!

Então a Igreja nos propõe as vigílias para nos concentrarmos na certeza daquilo que vem. É o que acontece com as Vigílias Litúrgicas: a de Pentecostes é realizada na certeza do Espírito Santo que vem; na da Páscoa, que é a maior de todas, há a certeza do Ressuscitado na manhã do domingo seguinte; a do Natal celebra a certeza de que o Verbo vai nascer.

Por que as vigílias de oração costumam acontecer na madrugada?

Existe o hábito de ser durante a madrugada por relacionar-se justamente com o Horto das Oliveiras, onde, durante a noite, Cristo vai pra sua vigília e é naquela madrugada que acontece tudo: sua prisão, seu julgamento e sua condenação.

Além disso, a Vigília feita à noite tem a simbologia de que nós vigiamos na escuridão, mas logo o sol vai aparecer. É a luz de Deus que vem iluminar alguma realidade da nossa vida que talvez passasse despercebida, mas agora a vigília nos colocou em atenção naquilo que o Senhor quer que o nosso coração seja capaz de enxergar para amar.

É por isso também que as Vigílias Litúrgicas antigamente começavam à tarde, passavam a noite e a solenidade era celebrada na manhã seguinte, quando surgia a luz do Sol. Ou seja, eu me preparei para aquilo que é certeza que vai acontecer, seja o ato litúrgico ou a ação de Deus em nós.

Eu cheguei à vigília trazendo escuridões, mas à medida em que eu vou focando minha atenção n’Ele, eu vou ter a luz do caminho, da verdade e da vida que Ele é.